Viver com uma doença crónica como a asma pode significar que tem uma probabilidade maior de desenvolver condições relacionadas. Pode também significar que se contrair outras doenças, os seus sintomas de asma podem agravar-se. 

Neste artigo, discutimos as condições mais frequentemente associadas à asma e o que pode fazer para reduzir os seus efeitos.

Asma e Eczema

O eczema, também conhecido como dermatite consiste em pele seca, com comichão e vermelhidão que pode afetar qualquer parte do corpo. De forma semelhante à asma, pode ser desencadeado pela presença de alérgenos e é frequentemente diagnosticado na infância. 

Tanto a asma como o eczema são condições com historial familiar. Não existe evidência clínica definitiva que sugira que uma condição cause a outra, contudo, um estudo concluiu que o eczema combinado com pieira na infância*, pode aumentar o risco de desenvolver asma na idade adulta

Existem vários tratamentos disponíveis para as pessoas com eczema. Se também está a fazer tratamento para a asma, o seu médico pode recomendar o uso de múltiplos medicamentos de uma vez.

Refluxo Gastro-Esofágico

O refluxo gastro-esofágico consiste em azia ou no refluxo ácido e é uma desordem digestiva onde o ácido do estômago se desloca para o esófago. De acordo com o Asthma UK, os asmáticos têm uma probabilidade duas vezes maior de desenvolver esta condição*, em comparação com as pessoas que não sofrem de asma. A Academia Americana de Asma Alérgica e Imunologia afirmou que isto se pode dever aos sintomas de asma causarem o relaxamento da válvula do baixo esófago*, resultando na passagem de ácido para este órgão. 

As pessoas com refluxo gastro-esofágico e asma são encorajadas a manter ambas as condições controladas para tentar limitar os sintomas. Isto pode incluir a combinação de medicamentos, dependendo da severidade de cada condição.

Osteoporose

A asma causa inflamação das vias aéreas e pulmões e em muitos casos é tratada com medicamentos corticoides por inalação. Todos os tipos de tratamentos são acompanhados pelo risco de efeitos secundários, sendo isto também verdade para os medicamentos da asma. Os corticosteroides podem causar uma diminuição da densidade óssea, que pode levar à osteoporose, sendo por vezes referida por osteoporose induzida por esteroides. 

A osteoporose tende a ocorrer em indivíduos suscetíveis que usam elevadas doses deste tipo de esteroides durante um longo período de tempo. Pessoas em risco de desenvolver a condição podem ser recomendados a fazer um exame para avaliar a densidade óssea, semelhante a um raio-x, para identificar perdas ósseas. Suplementos de cálcio e vitamina D podem também ser prescritos para combater os efeitos.

Gripes e constipações

Se tiver asma e contrair uma gripe ou constipação, tem uma maior probabilidade de sofrer um ataque de asma. Os vírus de gripes e constipações inflamam as vias respiratórias, o que pode ser muito grave para pessoas com asma, que já têm vias respiratórias sensíveis. 

Apesar de uma proteção completa não ser possível contra as constipações e gripes, existem precauções que pode tomar para minimizar o seu risco de transmissão:

  1. Mantenha o seu sistema imunitário saudável ao ingerir uma dieta saudável, seguir uma rotina de exercício físico e dormir bem.
  2. Lave as suas mãos regularmente. Um passo simples e eficaz. Os vírus das gripes e constipações são frequentemente disseminados ao tocar em superfícies infetadas e depois na sua cara. O vírus pode entrar no seu corpo pelos olhos, boca e nariz. Durante a lavagem, use sabão e água e evite o toque na sua cara posteriormente.
  3. Consulte o seu médico sobre a necessidade de vacinação para a gripe, uma vez que a vacina da gripe pode proteger contra algumas estirpes do vírus.

A asma é uma doença crónica que pode aumentar a sua vulnerabilidade a outras doenças. Também pode significar que no caso de ficar doente, os seus sintomas podem tornar-se mais severos e levar a complicações. É por isso importante manter a asma controlada ao fazer consultas regulares com o seu médico. 

A informação acima não está completa, pelo que se tiver dúvidas sobre a sua saúde, deve consultar o seu médico.

Página revista em:  26/10/2017