Em termos físicos, não. É pouco provável que a vasectomia cause diretamente disfunção erétil no homem. 

Isto deve-se a este procedimento não afetar nem entrar em contacto com os mecanismos que ocorrem no corpo, responsáveis pelas ereções.

Contudo, é possível que alguns homens desenvolvam sintomas psicológicos após uma cirurgia para uma vasectomia e que estes tenham impacto no seu desempenho sexual e consequentemente, na sua capacidade em obter uma ereção.

Obviamente que os homens sujeitos a uma vasectomia podem desenvolver disfunção erétil por outros motivos. Porém, na grande maioria dos casos, esta não se relaciona diretamente com o procedimento.

Nesta página abordamos:

  • O que é uma vasectomia?
  • O que envolve este procedimento?
  • Porque é que a vasectomia é pouco provável de causar disfunção erétil?
  • Motivos pelos quais um homem sujeito a uma vasectomia pode sofrer de disfunção erétil
  • O que pode fazer para tratar a condição

O que é uma vasectomia?

Uma vasectomia é um procedimento que impede que os espermatozoides se liguem ao esperma. Esta é por vezes referida como esterilização masculina, sendo um meio contracetivo preferido de muitos homens que não desejam ter filhos no futuro.

Apesar de nalguns casos ser reversível, esta é considerada um método de contraceção permanente, uma vez que a reversão nem sempre é possível ou bem sucedida.

Estima-se que esta seja 99% eficaz a evitar a gravidez. Segundo os serviços de saúde britânicos (NHS), dos 2000 homens que se submeteram ao procedimento, apenas um poderá engravidar a sua parceira durante a sua vida.

O que envolve este procedimento?

Uma vasectomia é considerada uma pequena cirurgia. A maioria é realizada sob anestesia local e leva apenas 15 minutos.

Existem duas formas de realizar este tipo de cirurgia, a vasectomia convencional ou a vasectomia sem recurso a bisturi.

Na versão convencional, um médico faz duas incisões pequenas no escroto. Isto irá permitir a remoção de uma pequena parte dos vasos deferentes, os tubos responsáveis por transportar os espermatozoides entre os testículos e o pénis. Estes tubos são posteriormente atados e selados, sendo usada sutura absorvível para fechar os cortes cirúrgicos. 

Um procedimento sem bisturi é ligeiramente diferente, uma vez que o médico que realiza a cirurgia irá localizar os vasos deferentes por baixo da pele e usar um pequeno clip para que estes sejam mantidos em posição. Será então feita uma pequena punção na pele do escroto, que será aberta com o uso de fórceps, para que os tubos sejam cortados e selados, tal como ocorre numa vasectomia convencional. Não são necessários pontos numa vasectomia sem bisturi, sendo esta menos provável de causar dor ou complicações

Existem vários exames que o médico terá de realizar antes de fazer o procedimento, uma vez que este não está indicado para todos os homens.

Uma vasectomia pode causar disfunção erétil?

Muitos homens, antes de se submeterem a uma vasectomia, podem estar apreensivos sobre o efeito deste procedimento no seu desempenho sexual e função erétil

Porém, os casos de vasectomia que resultam diretamente em disfunção erétil são extremamente raros.

O procedimento não envolve ou interfere com nenhum dos mecanismos físicos do corpo responsáveis pelo processo de ereção:

  • Uma vasectomia impede o transporte de espermatozoides pelos vasos deferentes, para que o esperma do homens não contenha nenhum espermatozoide. Esta não afeta nenhuma outra função. O homem irá continuar a produzir espermatozoides (que serão absorvidos pelo corpo) e sémen. Contudo, estes não entrarão em contacto.
  • A disfunção erétil ocorre quando os vasos sanguíneos à entrada do pénis se contraem, impedindo que os corpos cavernosos sejam preenchidos por sangue.

Estudos observaram que não existe praticamente diferença entre as taxas de impotência de homens com ou sem uma vasectomia (1,9 vs. 1,7 homens em cada mil, respetivamente). Uma revisão de vários estudos ainda vai mais longe a sugerir que o procedimento, ao diminuir o risco de gravidez, contribui para um melhor desempenho sexual.* 

Imediatamente após a operação, um médico poderá aconselhar a abstinência sexual até que a área esteja completamente curada. Porém, após este período, o homem poderá manter a sua vida sexual normalmente.

Porque motivo um homem sujeito a uma vasectomia pode sofrer de disfunção erétil?

A relação mais proeminente entre a vasectomia e a impotência relaciona-se com os efeitos psicológicos do procedimento. A esterilização pode levar a que alguns homens se sintam menos masculinos, podendo isto ter um impacto negativo no seu desempenho sexual, o que contribui para o aparecimento de problemas eréteis.

Se está preocupado que este procedimento possa ter impacto na sua saúde emocional e mental, esta situação deve ser discutida com o seu médico. Este poderá ajudar a esclarecer qualquer questão que tenha e sugerir uma forma alternativa de contraceção.

Também é possível que homens que se submeteram a uma vasectomia sofram de disfunção erétil por razões completamente alheias ao procedimento. Os hábitos do estilo de vida, o uso de certos medicamentos e outros problemas fisiológicos podem ser potenciais causas.

Tratar a disfunção erétil

Existem várias opções para homens que sofrem sintomas de disfunção erétil. As alterações ao estilo de vida e os medicamentos podem ajudar, porém nos casos em que o homem foi submetido a uma vasectomia, se esta estiver a ter um impacto na sua confiança ou desempenho sexual, procurar aconselhamento é a melhor opção a seguir

Se sofre de problemas de ereção que pensa estarem relacionados com uma vasectomia ou se está prestes a realizar este procedimento e deseja saber mais, fale com o seu médico.

Página revista em:  09/11/2017