Quando miúdos sempre desejamos que o natal nunca acabe! O Natal é época para ouvir músicas de Natal repetidas vezes, celebrações, prendas, diversão, muita comida e bebida, algumas que só comemos nesta época do ano em abundância. O que aconteceria com o nosso corpo se revivêssemos o Natal todos os dias por 30 dias?

A Treated.com criou uma linha do tempo de 30 dias do Dia da Marmota durante a noite de Natal, demonstrando o que aconteceria com o nosso corpo se este dia, amplamente conhecido pelo filme O Feitiço do tempo, tivesse acontecido no 24 de dezembro.

Conversamos com diversos profissionais das áreas da saúde para saber o que aconteceria com o corpo se todos os excessos da noite de natal fossem repetidos diariamente como no dia da marmota. As nossas descobertas são surpreendentes, para dizer o mínimo. 

Efeito das calorias do Natal por 30 dias

Pensar em natal, é pensar em comida. Como demonstramos num estudo anterior, em Portugal, uma média de 3.000 calorias são consumidas durante a consoada na noite de natal. Este estudo revelou que, apesar de o Bacalhau ser o principal prato em muitas regiões, em Portugal a noite de natal costuma oferecer um exagero em doces e entradas extremamente calóricas.

Uma refeição com alto consumo de calorias poderá, com o tempo, gerar obesidade. Entretanto, como a especialista em culinária, diabetes e nutrição Jill Weisenberger explica: “O ganho de peso inicial tende a ser muito alto, mas iria diminuir com o tempo. Ao ganhar peso, a diferença entre as calorias necessárias e o consumo de calorias tende a diminuir. Excesso de peso significa maior taxa metabólica."

Adiciona: “Muitos, se não todos, veriam mudanças desfavoráveis ​​na circulação sanguínea. Esperaria-se ver aumento dos triglicerídeos, colesterol LDL, níveis de açúcar no sangue e marcadores de inflamação. A tensão sanguínea tenda a aumentar. Muitos poderiam desenvolver fígado gordo, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. É possível também desenvolver lesões como tendinite e dores nas costas. Carregar excesso de gordura no corpo também está relacionado com vários tipos de cancro, portanto, com o tempo, é possível haver mais cancros diagnosticados."

Efeito das bebidas alcoólicas em 30 noites de natal

No dia do Natal, a maioria das pessoas tende a começar a beber álcool mais cedo, seja vinho, medronho ou cerveja, faz parte do espírito festivo deste dia único no ano. Caso o Natal acontecesse todos os dias por um mês, ou seja, os níveis de álcool mais altos do que o dia um dia comum. A dietista Maeve Hanon, do website Dietetically Speaking diz que “um alto consumo de álcool está associado com um grande risco de doenças no fígado, alguns tipos de cancro, doenças cardíacas, problemas na saúde mental e lesões. Aconselho um consumo de 1 a 2 dias sem consumir álcool por semana e para não beber mais de 14 unidades de álcool por semana (equivalente a 14 imperiais ou 7 copos de vinho).”

O Dr Daniel Atkinson, líder clínico da Treated.com acrescenta: "É provável que algumas pessoas superem facilmente as 14 unidades recomendadas de álcool por semana num único dia de Natal. Algumas pessoas planeiam que janeiro seja um mês de sobriedade completa, para tentar compensar o consumo sazonal intenso. No entanto, se considerarmos esta hipótese e as pessoas consumirem álcool como se fosse Natal todos os dias - os impactos a longo e a curto prazo na saúde seriam catastróficos. Acordariam com dores de cabeça latejantes, enjoos e outros sintomas associados à ressaca."

Devido a esses níveis de consumo pesados de bebidas”, Daniel complementa ao dizer que, “os impactos a longo prazo na saúde podem ser muito graves, incluindo cancro de boca, garganta, estômago, intestino, fígado e mama; acidente vascular cerebral, doença cardíaca ou insuficiência, doença hepática, danos cerebrais e problemas podem começar a ocorrer no sistema nervoso. Isto sem considerar os impactos psicológicos de beber todos os dias, algumas pessoas se tornariam dependentes e também veríamos declínios no humor e nas emoções conclui".

O stresse do Natal por 30 dias consecutivos

Garantir que as prendas foram compradas a tempo, preparando o jantar da noite de Natal, muitas vezes também viagens para encontrar com a toda a família e o encontro com familiares que nem sempre se dão bem não fazem com que pensemos na noite de natal como algo relaxante, muito pelo contrário (por mais que gostemos da comida)!

Estes níveis elevados de stresse geralmente valem a pena, porque o Natal chega apenas uma vez por ano e ver parentes felizes no Natal é uma justificação imediata para aguentar toda essa pressão. No entanto, se o Natal acontecesse todos os dias, esta pressão nunca seria aliviada, teria que ser mantida para atender às expectativas das pessoas. O stresse temporário durante o Natal se tornaria crónico e interminável.

Emocionalmente”, comenta o Dr Atkison, “as pessoas rapidamente se sentiriam sobrecarregadas, irritadas, ansiosas e a autoestima desmoronaria. Psicologicamente, veríamos uma onda de pensamentos irracionais e acelerados, preocupação constante, perda de concentração e declínio na saúde mental, provavelmente resultando em formas de depressão e ansiedade.” Atkinson complementa: “Isto também afetaria o bem-estar físico. Pode resultar em dores de cabeça ou enxaquecas, tensão nos músculos e articulações, tontura, insónia, cansaço extremo e mudanças na dieta".

Muita comida, pouca ação: a falta de movimento por 30 dias

A falta de mobilidade e variação no ambiente também deve ser mencionada. Se o Natal acontecesse todos os dias, as pessoas não se mexeriam tanto, nem os seus ambientes mudariam da mesma forma que no quotidiano. A falta de mobilidade pode contribuir para enfraquecimento dos músculos e ossos. No entanto, permanecer num local continuamente também teria um impacto psicológico grave. Como diz o ditado: a variedade é o tempero da vida. Se os nossos ambientes nunca mudassem, isso poderia contribuir para um declínio na saúde mental.

Afinal, um dia de natal por ano é suficiente, não?

Com tudo isso em mente”, conclui Daniel Atkinson, “eu diria que um Natal por ano é suficiente. Embora seja um momento maravilhoso de família e união, e uma pausa do dia-a-dia no trabalho, eu certamente preocuparia-me se tivesse que ser comemorado todos os dias. Penso que rapidamente deixaria de ser algo que antecipamos com entusiasmo e se tornaria uma provação. Os impactos no nosso bem-estar físico e psicológico seriam graves. Levaria a inevitável ganho de peso e obesidade, danos graves ao fígado, dependência de álcool, ansiedade, depressão e todo um espectro de possíveis condições de saúde a longo prazo. O que tudo isso nos diz é que o Natal geralmente é um dia de excessos. É um momento muito stressante, de aumento do consumo de álcool e alimentos. Tanto é assim que consumimos mais no Natal do que em qualquer outra época do ano. Também é um dia em que negligenciamos o fato de não caminharmos muito e geralmente somos muito preguiçosos. Se o Natal nunca terminasse, também seríamos privados de sono - o que também pode trazer os seus próprios riscos.

Portanto, quando o Natal chegar, é importante aproveitá-lo e aproveitar ao máximo a família e o tempo livre do trabalho, mas também devemos tentar não exagerar. Acima de tudo, devemos pensar no mês de janeiro com uma ênfase adicional no fato de que devemos comer bem e nos exercitar com frequência.

Por fim, gostaria de desejar a todos um Natal saudável, feliz e livre de stresse.”