Não. O Propecia não trata a queda de cabelo nas mulheres (alopecia androgénica) ou qualquer outro tipo de queda de cabelo feminina.

Por este motivo, o Propecia não deve ser tomado por mulheres e as mulheres grávidas ou que pensem estar grávidas são desaconselhadas a manusear comprimidos de Propecia partidos ou esmagados.

Existe um tratamento farmacêutico disponível para as mulheres que sofrem de queda de cabelo. Este chama-se Regaine para Mulheres e contém minoxidil, o mesmo princípio ativo do Regaine para Homens. Este está disponível em Solução para o Couro Cabeludo com 2% de minoxidil ou como Espuma para o Couro Cabeludo de aplicação única diária, com 5% de minoxidil.

Contudo, antes de usar este tratamento pela primeira vez, aconselha-se a que consulte o seu médico ou farmacêutico. Estes poderão falar deste tratamento consigo e aconselhar se este está indicado para o tipo de queda de cabelo de que sofre.

O que é o Propecia?

O Propecia é um medicamento com finasterida aprovado para o tratamento da queda de cabelo nos homens em 1999. Este é fabricado pela Merck Sharp and Dohme, também conhecida como MSD.

Atua ao inibir a conversão de testosterona em di-hidrotestosterona no corpo, que é responsável pela alopecia androgénica (queda de cabelo) nos homens.

Antes do seu lançamento como tratamento para a queda de cabelo, a finasterida foi desenvolvida e lançada pela MSD como tratamento da hiperplasia benigna da próstata (HBP), com o nome Proscar. Contudo, a dose de finasterida usada para tratar a HBP é de 5mg, cinco vezes superior à dose usada para o tratamento da queda de cabelo (1mg).

Em 2014, a patente do Propecia no Reino Unido expirou. Isto significa que a partir deste momento, outras empresas farmacêuticas podem produzir versões genéricas do Propecia, com o nome Finasterida ou Aindeem, para o tratamento da queda de cabelo.

Contudo, a Merck Sharp and Dohme continua a ter o direito de fabricar este medicamento com o nome comercial Propecia. 

O Propecia já foi testado na queda de cabelo nas mulheres?

Sim. A Merck testou clinicamente o Propecia (finasterida) em mulheres pós-menopáusicas.

(A queda de cabelo nas mulheres é mais frequente durante ou após a menopausa. Foi sugerido que uma alteração nos níveis hormonais pode desempenhar um papel neste sentido.)

Contudo, o estudo demonstrou que o Propecia não se revelou um tratamento eficaz para a alopecia androgénica feminina.

Um total de 137 mulheres participaram no estudo. Cerca de 67 receberam o Propecia e 70, o placebo, durante o período de um ano. Medidas como a contagem de cabelo, a classificação fotográfica entre outras foram medidas do estudo. Após 12 meses, as mulheres no grupo de tratamento não apresentaram melhorias quando comparadas com o placebo em nenhuma destas medidas.

Que opções existem para a queda de cabelo nas mulheres?

Apesar de estar estabelecido que para as mulheres a Finasterida e o Propecia não são tratamentos indicados, as mulheres que sofrem de queda de cabelo devem falar com o seu médico.

O Regaine para mulheres pode ser um tratamento eficaz para a queda de cabelo feminina.

No caso de existir uma condição de saúde subjacente que esteja a causar a queda de cabelo, o médico será capaz de a identificar e prescrever tratamento se necessário.

Página revista em:  16/04/2018