Atualmente, existe apenas um medicamento sujeito a receita médica para emagrecer disponível para venda em Portugal.

Outros medicamentos para a obesidade ilegais não passaram com sucesso nos testes rigorosos da EMA, Agência Europeia do Medicamento, pelo que não estão disponíveis para venda. 

Os comprimidos para emagrecer ilegais podem ser extremamente perigosos, pelo que devem ser evitados.

De momento, o orlistato é o único tratamento para emagrecer disponível em Portugal. Este pode ser comercializado sob diferentes marcas como o Xenical e o Alli. Este medicamento está aprovado para utilização como parte de um plano de emagrecimento para pessoas obesas ou com excesso de peso. 

Para que o orlistato seja prescrito em segurança, é necessária uma consulta prévia com um médico. Nesta consulta entre outros fatores, será calculado o Índice de Massa Corporal (IMC) do paciente.

Os websites que comercializem comprimidos para emagrecer ilegais não dispõem de serviço de consulta, nem fazem qualquer avaliação do paciente. Consequentemente, comprar estes comprimidos coloca a sua saúde em risco.

Porque motivos os comprimidos para emagrecer ilegais são perigosos?

Os comprimidos para emagrecer não são regulados, pelo que não cumprem as regras de segurança para este tipo de tratamentos. Estes podem ser muito perigosos e colocar a sua saúde em risco. 

Os comprimidos ilegais podem:

  • Conter substâncias ilegais e perigosas
  • Causar efeitos secundários graves
  • Interagir com outros medicamentos, causando mais uma vez efeitos secundários potencialmente perigosos
  • Não ter os efeitos prometidos

Eficácia dos comprimidos para emagrecer ilegais

Como os comprimidos para emagrecer ilegais não foram submetidos a nenhum controlo, não há forma de provar a sua eficácia. Este é provavelmente um problema menor quando comparado com o risco para a saúde de quem os toma. Isto significa que as pessoas que optam por comprimidos para emagrecer ilegais estarão a desperdiçar o seu dinheiro, num produto que não produz quaisquer benefícios.

Os websites que promovem este tipo de produtos frequentemente citam a rapidez de resultados na perda de peso. Pelas razões citadas acima, estas afirmações não têm obviamente base científica.

Efeitos secundários dos comprimidos para emagrecer ilegais

Vários casos trágicos sobre o uso de comprimidos para emagrecer ilegais apareceram nas notícias nos últimos anos.

Os efeitos secundários reportados pelos utilizadores podem variar grandemente, causando um dano permanente na sua saúde e provando-se fatais nalguns casos.

Outros efeitos secundários podem incluir (mas não se limitam a):

  • Aumento da temperatura, uma vez que o metabolismo do corpo aumenta.
  • Infeções da bexiga
  • Falência renal
  • Doença cardíaca
  • Arritmia
  • Hipertensão arterial
  • AVC
  • Ataque cardíaco
  • Dores de cabeça
  • Convulsões
  • Psicose.

Os medicamentos para emagrecer aprovados também podem causar certos efeitos secundários em alguns utilizadores, estes serão estudados em condições controladas e detalhados na bula do medicamento.

Se um medicamento tem o potencial de colocar a saúde em risco grave, não será aprovado pela EMA ou Infarmed (no caso do mercado português) ou será aprovado para utilização em casos muito específicos e sob vigilância apertada. Isto permite aos potenciais utilizadores tomar uma decisão informada sobre o seu tratamento para a obesidade.

Comprimidos para emagrecer ilegais e substâncias proibidas

Os comprimidos para emagrecer ilegais podem conter substâncias perigosas. As autoridades responsáveis pelo controlo dos medicamentos encontraram várias destas substâncias em tratamentos comercializados como naturais. Os testes revelam que várias substâncias artificiais estão presentes. Uma destas substâncias é a sibutramina, uma substância proibida na Europa em 2010 associada a ataques cardíacos e AVC.

Outra substância ilegal é conhecida como DNP (do inglês dynamic nutrient provider), normalmente utilizada como fertilizante ou pesticida. Se usado como agente para emagrecer, pode matar. É importante lembrar que é ilegal vender DNP para consumo humano.

Quaisquer websites que afirmem comercializar este produto com o emagrecimento como objetivo, devem ser evitados por completo. Se suspeita que um website está a comercializar produtos ilegais, este deve ser reportado às autoridades competentes.

Da mesma forma, tal como o uso de substâncias proibidas, algumas substâncias presentes nestes comprimidos ilegais não estão declaradas. A utilização destas substâncias pode levar a efeitos secundários não desejados tal como os listados acima.

Níveis elevados de substâncias como a cafeína e a laranja amarga foram associados a problemas cardíacos. A utilização destas substâncias pode levar a efeitos secundários não desejados, tais como os listados acima.

Contraindicações dos comprimidos para emagrecer ilegais

Antes de um medicamento ser prescrito a um paciente, são avaliadas as suas contraindicações. Isto inclui condições médicas e qualquer outro medicamento que o paciente já se encontre a tomar que possa potencialmente interagir com qualquer medicamento introduzido recentemente. Estes aspetos importantes não são tidos em conta se comprar comprimidos ilegais que coloquem a sua saúde e vida em risco.

Permaneça em segurança

Se deseja comprar medicamentos naturais, deve procurar o logótipo que comprove a sua veracidade e o seu número de registo no THR (Traditional Herbal Registration). Isto irá ajudar os consumidores a perceber se estes medicamentos foram avaliados pelas autoridades competentes. 

Se deseja começar um plano de emagrecimento com a ajuda de comprimidos para perder peso, deve consultar primeiro o seu médico. Este será capaz de lhe fornecer aconselhamento adequado e verificar se é seguro para si tomar estes medicamentos.

Página revista em:  23/10/2017