De forma simples, determinar se tem (ou o seu parceiro ou parceira) uma DST é impossível sem um exame médico. 

Pode sofrer de uma DST e não apresentar quaisquer sintomas durante longos períodos de tempo e transmiti-la a outras pessoas sem saber, podendo levar a complicações de saúde

Algumas DST podem ser transmitidas não apenas pelo sexo penetrativo, mas também pelo contacto genital ou com o corpo

Listámos alguns dos sinais mais óbvios de algumas DST comuns aqui, porém também mencionamos a forma de saber se o seu parceiro ou parceira sofre de uma DST, mesmo que não apresente sintomas, aconselhando como se deve prevenir contra o contágio.

Clamídia

Esta é uma das DST mais comuns, podendo ser transmitida pelo sexo desprotegido ou contacto genital. Pensa-se que centenas de pessoas são infetadas por esta doença todos os anos. 

Os serviços de saúde britânicos recomendam que faça o teste anualmente se tem mais de 25 anos e é sexualmente ativo ou sempre que mudar de parceiro(a) sexual.

As pessoas com clamídia frequentemente não apresentam sintomas. Mesmo que sofram, estes podem levar semanas a meses a aparecer e podem desaparecer de seguida. 

Pode infetar outras pessoas mesmo que não apresente quaisquer sintomas.

  • Nas mulheres os sintomas incluem corrimento vaginal, hemorragia após o sexo, períodos abundantes e dor abdominal.
  • Os homens podem sofrer de corrimento genital, comichão na uretra ou dor nos testículos.
  • Ambos os sexos podem sofrer de desconforto ao urinar. 

A maioria dos casos de clamídia pode ser curada com antibióticos se diagnosticada precocemente. Se deixada por tratar, pode causar complicações mais graves, incluindo problemas na gravidez nas mulheres e infertilidade em ambos os sexos.

Gonorreia

Esta infeção bacteriana tem sido alvo de preocupação, uma vez que uma estirpe que se tornou resistente aos antibióticos, se tem disseminado pela Europa. Todos os anos milhares de pessoas são infetadas. 

Pode ser transmitida pelo sexo penetrativo desprotegido e pelo sexo oral. Cerca de metade das mulheres e um em cada dez homens não irá notar sintomas, podendo a gonorreia ser transmitida a outras pessoas mesmo quando é assintomática.

  • Os homens com sintomas irão notar um corrimento amarelo, branco e esverdeado, prepúcio inflamado ou inchado e dor ao urinar ou ao ejacular. 
  • As mulheres poderão sofrer de desconforto ao urinar, ter um corrimento amarelo ou verde ou menos frequentemente, dor abdominal, hemorragia vaginal ou períodos abundantes. 

Como a gonorreia pode ser transmitida pelo sexo anal e oral, a sua garganta e recto também podem ser infetados. Apesar de não apresentar sintomas na sua boca, pode também sofrer de dor, comichão, corrimento e diarreia ligeira. 

Se os seus olhos entrarem em contacto com o fluido vaginal ou seminal de alguém infetado, poderá desenvolver conjuntivite

A gonorreia pode ser curada com antibióticos. Previamente, era tratada com medicamentos simples. Contudo, o desenvolvimento de estirpes resistentes levou a que atualmente a infeção requeresse a combinação de dois tipos de antibiótico. 

Se a gonorreia não for tratada pode causar problemas de fertilidade tanto em homens como em mulheres:

  • As mulheres podem sofrer de complicações durante a gravidez, incluindo parto prematuro e até aborto. Pode também levar a conjuntivite no recém-nascido, para a qual será necessário tratamento antibiótico para impedir danos visuais permanentes. 
  • Os homens correm o risco de desenvolver pénis curvo a longo prazo, uma condição onde o pénis começa a encurvar para cima ou para baixo. Isto torna as ereções dolorosas e pode requerer cirurgia.
  • A ocorrência de septicemia foi relatada nalguns casos.

Sífilis

Transmitida pelo sexo vaginal, oral ou anal (e em casos raros pelo contacto físico), esta infeção bacteriana, pode mais uma vez ser transmitida, sem que apresente sintomas. 

Se deixada por tratar durante muito tempo, pode tornar-se muito perigosa, podendo causar AVC, condições cardíacas, danos cerebrais, perda de audição ou visão e meningite. Afeta homens e mulheres, mas os casos masculinos são mais comuns na comunidade gay e bissexual. 

  • Os primeiros sinais da sífilis (conhecida como sífilis primária) consistem numa ou mais úlceras no pénis ou vagina ou perto destes ou noutra área de contacto sexual, como a boca ou as nádegas. As pessoas infetadas podem também desenvolver gânglios infetados perto das úlceras e por baixo dos braços.
  • Os sintomas da sífilis secundária são mal-estar semelhante ao da gripe, dores de cabeça, garganta inchada e erupções cutâneas. Estes podem desaparecer com o tempo, mas a pessoa irá permanecer com a infeção e poderá desenvolver alguns dos problemas agudos mencionados acima. 
  • A fase final (sífilis terciária) pode levar vários anos a manifestar-se, levando às complicações de saúde mencionadas acima. 

A sífilis pode ser tratada com antibióticos, que podem requerer uma administração intravenosa nos casos em que a doença está presente há muito tempo. Apesar de também pode ser curada nas fases mais avançadas, as complicações causadas pela doença podem não ser.

HIV

O vírus da imunodeficiência humana pode ser transmitido por sexo desprotegido vaginal ou anal, bem como pelo sangue infetado. Continua a não haver cura para o HIV. 

Apesar de durante muitos anos ter sido a causa do síndrome de imunodeficiência humana (SIDA), o desenvolvimento das ciências médicas permitiu às pessoas com HIV viver mais tempo, com uma vida saudável controlada por medicamentos e outras medidas.

Tal como o nome sugere, o HIV ataca o sistema imunitário do corpo, danificando a sua capacidade de combater a infeção e as doenças. Se não tratado, as pessoas infetadas podem desenvolver SIDA, que pode levar a condições como a pneumonia e a tuberculose, revelando-se fatais. 

As pessoas com HIV podem viver muitos anos sem saberem que foram infetadas, mas são da mesma forma capazes de infetar parceiros sexuais mesmo sem apresentar sintomas. 

O HIV pode afetar homens e mulheres, homossexuais e heterossexuais. Continuam a ser diagnosticadas milhares de pessoas todos os anos com a doença na Europa. Pensa-se que cerca de um quarto das pessoas com HIV não sabe que sofre da condição. 

  • Na maioria dos casos, nas semanas a seguir à infeção podem ser notados sintomas semelhante aos da gripe (dores de cabeça, fadiga, garganta inchada, febre). Esta reação é conhecida como seroconversão. 
  • Pessoas com a infeção pode sentir-se em baixo, com dores musculares e articulares ou úlceras na boca. Esta fase tem normalmente a duração de uma semana ou duas e estes sintomas não são frequentemente atribuídos ao HIV. É fácil as pessoas não perceberem que foram infetadas. 

Após isto, a infeção entra num longo período de remissão, que pode ter a duração de vários anos e não apresentar sintomas. Contudo, eventualmente o sistema imunitário irá atingir um momento onde é mais difícil combater a infeção, começando a aparecer sinais, como a perda de peso, diarreia aguda e agravamento de outros problemas de saúde. 

Após um diagnóstico positivo, o médico irá decidir quando começar o tratamento dependendo da presença do vírus na sua corrente sanguínea, sendo feita a contagem de CD4. Os CD4 são um tipo de células sanguíneas responsável por ajudar o corpo a combater as infeções.

Quando a contagem de CD4 diminui abaixo de um determinado valor (geralmente abaixo de 350 para pessoas sem outros problemas de saúde), é iniciado o tratamento, que consiste na administração de medicamentos para o resto da vida

Verrugas genitais

É possível ter o vírus do HPV sem ter verrugas genitais. Apesar da condição ser mais infecciosa quando estão presentes, também pode ser transmitida quando estas não estão presentes. 

  • Estas verrugas no pénis, vagina ou ânus ou perto destes, são causadas pelo vírus do papiloma humano (HPV). As verrugas também se podem desenvolver nas coxas ou dentro do recto. Estas podem ser transmitidas por contacto íntimo, bem como por sexo penetrativo ou oral desprotegidos. 
  • O tamanho destas verrugas pode variar e estas podem tornar-se desconfortáveis dependendo do seu tamanho e localização. 

As verrugas podem ser tratadas de várias formas de acordo com o tipo de verruga. Nalguns casos pode ser recomendado um creme ou solução sujeitos a receita médica (conhecidos como tratamento tópico). Noutros casos, pode ser necessária a excisão cirúrgica, a criocirurgia ou a remoção a laser. 

Os tratamentos tópicos podem levar algum tempo a tornar-se eficazes e os pacientes têm de se abster do contacto sexual para que não transmitam a doença a outras pessoas.

Herpes Genital

É fácil que os surtos do herpes passem despercebidos, pelo que pode transmitir o herpes a outra pessoa se não apresentar quaisquer sintomas. 

  • Os principais sintomas causados pelo vírus do herpes simplex (HSV) são feridas, comichão, vesículas na pele ou perto dos genitais, bem como nas coxas ou nádegas. 
  • É possível sofrer de sintomas semelhantes aos da gripe. Pode apanhar herpes pelo contacto corporal íntimo, bem como pelo sexo. O herpes genital pode também ocorrer na boca pelo beijo. 

Apesar de um surto de herpes genital poder ser tratado com um ciclo de medicamentos antivirais, não existe atualmente cura, pelo que mesmo que os sintomas desapareçam, o vírus permanece no seu sistema. Os surtos recorrentes irão tornar-se gradualmente menos severos. 

Se tiver mais de seis surtos por ano, aconselha-se a consultar o seu médico para que a condição seja controlada com um tratamento a longo prazo. 

É importante se notar sintomas de um surto evitar o contacto sexual, uma vez que os preservativos não são completamente eficazes a impedir a transmissão. 

Pode saber mais sobre os fatores que desencadeiam a reativação e como deve administrar o tratamento na nossa página de informação.

Tricomoníase

Este tipo de infeção não é tão fácil de detetar como outras DST, uma vez que os sintomas são frequentemente confundidos com os de outras condições. A tricomoníase é causada pela trichomonas vaginalis, um parasita que infeta tos genitais e a uretra, mas que também pode infetar a próstata e o prepúcio nalguns homens. 

É transmitida pelo sexo desprotegido vaginal e pode ser assintomática em cerca de metade das pessoas infetadas. 

  • As mulheres com sintomas podem notar um corrimento vaginal pouco habitual com coloração verde ou amarela e um forte odor, associado a comichão, inchaço e desconforto perto da vagina. 
  • Os homens podem notar corrimento de cor branca ou inflamação do prepúcio ou ponta do pénis.
  • Ambos os sexos podem sofrer de dor durante o sexo ou ao urinar.

A tricomoníase pode ser tratada com um ciclo curto de antibióticos. Apesar desta condição ocasionalmente desaparecer por si, isto não é certo e a falta de tratamento aumenta o risco de infeção.

Fazer o teste

Se uma pessoa for sexualmente ativa, a única forma de ter certeza de que está livre de DST é fazer o teste regularmente.

Na maioria dos centros de saúde estão disponíveis consultas de planeamento familiar completamente confidenciais. Para além de poder fazer o teste, pode obter aconselhamento e contracetivos de forma gratuita.

É provável que nesta consulta lhe seja questionada informação sobre o seu historial sexual, pelo que é importante ser o mais honesto possível para que o risco de infeção seja avaliado corretamente.

Página revista em:  26/10/2017