Antes de iniciar o tratamento com Truvada para PrEP, é importante certificar-se de que não tem atualmente VIH ou outras DSTs, e que o medicamento é adequado para si.

Nesta página, explicaremos o que deve fazer antes de iniciar a PrEP e também o que é preciso durante a realização do tratamento.

Antes de começar a tomar PrEP

  1. Faça um Teste completo para as DSTs

Como o PrEP é especificamente destinada ao uso por pessoas que são VIH negativas, será obrigado a fazer um teste de VIH antes de começar a tomá-lo. Existem duas razões principais para isto:

  • em primeiro lugar, existem outros tratamentos que são mais adequados para pessoas que são seropositivas e funcionarão melhor para suprimir o vírus;
  • em segundo lugar, se a PrEP é tomada por alguém que é VIH positivo, isto aumenta a probabilidade do vírus desenvolver uma resistência à droga.

É recomendado que obtenha o que é chamado teste de 'antígeno de anticorpo de VIH de quarta geração'. Outros testes para o VIH nem sempre descobrem infeções muito recentes; Pode levar até três meses para os anticorpos detetados nestes testes se desenvolverem. O teste de 4ª geração, por outro lado, é muito mais confiável na deteção de infeções recentes (coletadas nas 4 a 12 semanas anteriores).

  1. Repita o teste para as DSTs 4 semanas depois

É possível que o teste da 4ª geração não detete infeções muito recentes que tenham sido dentro de quatro semanas antes do teste. Portanto, se o seu primeiro teste foi negativo, deve fazer um teste de acompanhamento quatro semanas depois para confirmar este resultado.

  1. Verifique os seus rins através de uma análise de sangue

É incomum, mas possível, que a PrEP interfira na função renal. É mais provável que isto ocorra em pessoas com problemas renais pré-existentes ou que estão a tomar outros medicamentos que afetam o funcionamento dos rins.

Por este motivo, deve idealmente fazer um exame de sangue antes de iniciar o PrEP, para verificar se a sua função renal não está prejudicada de forma alguma. Deve programar isto com o seu médico. Se está a receber PrEP de uma clínica de saúde sexual, requisite que façam este teste.

  1. Seja vacinado

Se é sexualmente ativo e, particularmente, se está em maior risco de contrair o VIH, deve certificar-se de estar em dia com todas as suas vacinas. Isto inclui a vacina contra a gripe, hepatite A e B e HPV. Isto não elimina completamente o risco de contrair esses vírus, mas diminui significativamente.

Se ainda não foi vacinado, fale com o seu médico.

  • Ao tomar a PrEP
  • Continue a fazer testes para as DSTs a cada 3 meses
  • As pessoas que estão a tomar PrEP devem continuar a ter uma triagem de DSTs completa, incluindo um teste de VIH de 4ª geração, a cada três meses; e precisará fazer o teste com frequência, independentemente de ter ou não algum sintoma de uma DST.

Apesar do risco de contrair o VIH quando está a tomar PrEP seja muito pequeno, precisará fazer o teste regularmente para se certificar de que não contraiu o vírus. Novamente, isto ocorre porque o vírus pode desenvolver uma resistência aos medicamentos usados ​​no PrEP. Mesmo que não seja provável, desde que o tratamento seja feito adequadamente, se alguém que usa o PrEP for infetado pelo VIH, precisará ser visto por um médico e ter o tratamento trocado assim que possível.

Pode fazer um teste para as DSTs através do seu médico de família ou dos serviços locais de saúde sexual. Também é possível solicitar um kit de teste online.

  1. Pratique o sexo seguro

Embora o PrEP reduza o risco de contrair o VIH, existem outras medidas que pode adotar para diminuir ainda mais o risco, como:

  • usar preservativos ou contraceção de barreira
  • não compartilhar brinquedos sexuais ou outros itens que entram em contato com fluidos corporais
  • não compartilhando agulhas

Deve continuar a tomar estas precauções, mesmo se estiver a tomar PrEP.

  1. Consulte o seu médico se notar algo incomum

Fale com o seu médico imediatamente se desenvolver sintomas incomuns ou efeitos colaterais ao tomar PrEP, como:

  • uma temperatura alta
  • doença ou diarreia
  • dores musculares e articulares
  • gânglios linfáticos inchados
  • uma erupção
  • dores de cabeça
  • aumento da transpiração

Se tiver dúvidas relacionadas com a sua medicação, peça aconselhamento médico.

Página revista em:  23/11/2018