Sim. As mulheres já infetadas com DST podem engravidar, tal como as mulheres grávidas podem ser infetadas com uma DST durante a gravidez. Nestes casos, as complicações são mais graves. A maioria das mulheres grávidas faz testes às DST como parte da sua avaliação médica, sendo testadas condições como a hepatite B, a sífilis e o HIV

Os efeitos das DST na gravidez podem variar de acordo com o tipo de infeção:

DST Bacterianas

As DST bacterianas mais comuns incluem a clamídia, a gonorreia, a sífilis e a vaginose bacteriana. Estas são todas causadas por bactérias indesejadas que infetam o corpo. 

A clamídia, a gonorreia e a vaginose bacteriana podem todas causar complicações durante a gravidez. Os principais problemas incluem o rompimento das membranas que envolvem o bebé em pré-termo (também conhecido como rebentar da bolsa ou das águas), parto prematuro ou aborto. A clamídia e a gonorreia também podem ser passadas da mãe infetada para o bebé durante o parto. Isto pode levar a infeções nos olhos e pulmões. 

A sífilis não tratada pode ser um potencial risco para bebés em desenvolvimento e recém-nascidos. Isto deve-se a poder causar partos prematuros, nados mortos e morte após o parto. Os recém-nascidos não tratados podem desenvolver disfunção em múltiplos órgãos como o cérebro, olhos, coração, ouvidos, pele e dentes. As DST bacterianas podem ser geralmente tratadas em segurança durante a gravidez com antibióticos.

DST Virais

As DST virais como o herpes, as verrugas genitais, o HIV e a hepatite podem causar problemas na gravidez e ser transmitidas ao bebé. O vírus do herpes simplex (HSV) pode ser muito grave se contraído pelo bebé. A transmissão pode ocorrer durante a gravidez ou após o parto, porém, estima-se que 90% dos casos são transmitidos durante o parto vaginal. 

Se a mãe tiver tido um surto de herpes a qualquer momento da sua gravidez, pode ser aconselhada uma cesariana para proteger o bebé. Isto deve-se ao vírus poder causar cegueira, danos no sistema nervoso, problemas de aprendizagem e até a morte. 

As verrugas genitais são causadas pelo vírus do papiloma humano (HPV). Se o vírus estiver presente durante a gravidez, as verrugas podem aparecer e aumentar em tamanho e número. Dependendo da localização das verrugas, estas podem ter de ser removidas antes do parto, caso contrário, pode não ser possível um parto vaginal. O HPV pode ser transmitido ao bebé e em casos raros causar papilomatose na laringe (um crescimento benigno na garganta do bebé). 

As verrugas genitais podem ser tratadas em segurança durante a gravidez, mas alguns tratamentos podem ser adiados para o pós-parto.

O vírus da imunodeficiência humana, mais conhecido como VIH ou HIV, pode ser passado da mãe para o bebé durante todas as fases da gravidez. Contudo, existem tratamentos disponíveis que podem minimizar o risco. A British HIV Association estima que o risco de transmitir HIV ao recém-nascido é inferior a 2%. 

A Hepatite B pode ser transmitida verticalmente da mãe para o bebé. Os fetos têm um maior risco se a infeção for transmitida à mãe perto do momento do parto. Os bebés em risco podem levar uma vacina para reduzir o seu risco de desenvolver doença hepática grave ou cancro do fígado à medida que crescem.

Efeitos na conceção e gravidez inicial

As DST podem tornar-se um problema para as mulheres que tentam conceber. Apesar da maioria das mulheres que sofre de uma DST não sofrer de nenhum problema se lhes for administrado tratamento cedo. É também importante notar que se deixadas por tratar, as DST podem levar a problemas de fertilidade tanto em homens como em mulheres. As mulheres que tentam engravidar irão sofrer dificuldades se as suas trompas de Falópio tiverem sofrido danos. 

Algumas DST aumentam o risco de aborto ou gravidez ectópica. Isto deve-se aos órgãos reprodutivos poderem ser afetados se a infeção se infiltrar no útero ou no cérvix. Se deixada por tratar, a infeção pode causar doença inflamatória pélvica (DIP) e causar danos permanentes no sistema reprodutivo. As DST frequentemente associadas à DIP incluem a clamídia e a gonorreia.

Durante a gravidez

As mulheres grávidas que sofrem de uma DST podem sofrer sintomas. Algumas mulheres podem não perceber que sofrem de uma DST até engravidarem e serem notados sintomas pela primeira vez. Existem sintomas que podem ser exacerbados durante a gravidez, podendo aumentar o desconforto. Em particular, novos e grandes aglomerados de verrugas genitais podem formar-se e em situações mais raras bloquear a vagina, impedindo um parto vaginal.

Tratamento antes ou durante a gravidez

A maioria dos tratamentos antibióticos para as DST bacterianas podem ser usados durante a gravidez. Estes incluem o tratamento para a clamídia, gonorreia e sífilis. Se planeia uma gravidez e está a fazer tratamento para as DST, deve consultar o seu médico sobre como deve proceder. O seu profissional de saúde irá decidir qual o melhor tratamento e quando deve ser iniciado.

Práticas sexuais seguras antes, durante e após a gravidez

Praticar sexo seguro durante a gravidez é de extrema importância. As DST podem ser contraídas e transmitidas em qualquer fase da gravidez. Tal como vimos acima, as complicações para as mulheres grávidas podem ser mais graves, pelo que é fundamental testar contra estas doenças. Existem opções de tratamento disponíveis que podem ser discutidas com o seu profissional de saúde, de forma a assegurar uma gravidez e parto seguros.

Página revista em:  26/10/2017