Nem sempre é fácil saber se contraiu uma DST ou não. Isto deve-se a muitas pessoas não apresentarem sintomas mesmo quando estão presentes bactérias, vírus ou parasitas no corpo. Dito isto, se pensa estar a sofrer de sintomas de uma DST ou se suspeita que teve sexo desprotegido com alguém infetado, deve fazer o teste.

Teste clínico vs. Teste em casa

Fazer um teste às DST pode ser uma experiência assustadora, porém, não tem de ser. Existem várias opções disponíveis para ser mais fácil diagnosticar a infeção. Todas as doenças sexualmente transmissíveis são facilmente testadas ou diagnosticadas com um exame. Pode seguir o percurso mais tradicional ao marcar uma consulta com o seu médico ou ao dirigir-se a uma consulta de planeamento familiar.

Contudo uma forma mais fácil e discreta está agora disponível como um kit de testes caseiro. A tecnologia de diagnóstico avançou ao ponto dos pacientes poderem realizar o teste em casa e posteriormente enviarem a amostra para um laboratório clínico.

  • Teste em casa

Quando utilizam um kit de teste para as DST os homens terão de fornecer uma amostra de urina e as mulheres um esfregaço vaginal. Ambas as amostras são indolores e podem ser recolhidas no conforto da sua casa. Posteriormente as amostras são enviadas a um laboratório para teste. 

Existem vários tipos de kits caseiros que podem testar várias DST. Os resultados deste tipo de teste estão geralmente disponíveis em 72 horas após a receção da amostra por parte do laboratório. Geralmente poderá escolher a partir de leque de opções relativamente à forma como quer receber o resultado.

  • Teste clínico

As clínicas especializadas em saúde sexual têm geralmente disponíveis consultas para as quais não é necessária marcação. Estas consistem numa conversa com um médico ou enfermeira sobre o seu historial médico e sexual. Dependendo do resultado da conversa, poderá ser realizado um exame físico aos seus genitais, podendo ser necessárias amostras de urina, sangue, esfregaço uretral ou esfregaço vaginal.

  • As amostras de sangue são geralmente usadas para testar o HIV e sífilis.
  • Os testes de urina são usados para testar a clamídia, tricomoníase e gonorreia em homens.
  • Os esfregaços podem testar para a clamídia, gonorreia, tricomoníase e herpes.
  • As verrugas genitais são geralmente diagnosticadas com um exame físico.
  • Alguns resultados estão disponíveis no dia, mas outros podem ter de esperar alguns dias.
  • A clínica geralmente contacta o paciente diretamente se um resultado positivo for confirmado, pelo que lhe será pedido que faça uma consulta para discutir os resultados e opções de tratamento.  

Quão precisos são os testes às DST?

Graças aos avanços nas ciências de diagnóstico, os testes das DST são mais precisos agora do que nunca. Num estudo recente, por exemplo, a combinação de um cultura urinária com um esfregaço vulvovaginal provou-se ser 99% eficaz a detetar casos de gonorreia feminina

Contudo, vale a pena notar que nenhum teste das DST é 100% eficaz, quer seja feito em casa ou em meio clínico. Se pensa ter contraído uma DST, deve fazer o teste o mais cedo possível. Ocasionalmente, mesmo que o resultado seja negativo, pode ser pedida uma nova amostra, no caso de haver a hipótese de ainda não ter sido atingido o período de exposição ótimo. O período de exposição refere-se ao número de dias que a infeção leva a aparecer no corpo e pode ser diferente entre DST. Por exemplo, a clamídia e a gonorreia podem levar até duas semanas, enquanto o HIV pode levar até quatro semanas antes de poder ser confirmado no sistema do paciente.

Resultado positivo – o que fazer?

E se os resultados confirmarem que sofre de uma DST? Primeiro, não precisa de entrar em pânico. Existem várias opções de tratamentos disponíveis, dependendo da DST que lhe foi diagnosticada. É importante contactar quaisquer parceiros sexuais que tenha tido, o mais cedo possível, para que estes possam saber que teve um resultado positivo. Isto irá ajudar a minimizar o risco de disseminar a infeção, permitindo que façam o seu próprio teste. 

  • Lembre-se que nem todas as DST causam sintomas, por este motivo, mesmo que não apresente sinais, é importante ser testado se pensar que está em risco.
  • Para evitar contrair quaisquer infeções sexualmente transmissíveis, deve praticar sexo seguro.

Se é sexualmente ativo e tem menos de 25 anos, deve fazer testes a DST todos os anos ou após o contacto com um novo parceiro sexual.

Página revista em:  26/10/2017