A clamídia é um termo comum usado para descrever a doença sexualmente transmissível causada pela Chlamydia trachomatis

Contudo, a C. Trachomatis é apenas uma das espécies da família da clamídia, que pode causar várias infeções em humanos e também em animais. 

Existem três espécies de clamídia (ou derivadas desta) conhecidas por afetar humanos, incluindo: 

  • Chlamydia trachomatis
  • Chlamydophila pneumoniae
  • Chlamydophila psittaci 

Contudo, também existem outras espécies que apenas afetam os mamíferos, incluindo: 

  • Chlamydia muridarum (grandes roedores, como ratos e hamsters)
  • Chlamydia suis (porcos)
  • Chlamydophila abortus (mamíferos)
  • Chlamydophila caviae (porquinhos da índia)
  • Chlamydophila felis (gatos)
  • Chlamydophila pecorum (grandes mamíferos, como animais de pecuária)

Chlamydia trachomatis

Esta é uma estirpe responsável pelas infeções de clamídia em humanos. Existem cerca de 200.000 casos de clamídia no Reino Unido todos os anos, tornando-a a DST mais frequentemente diagnosticada

Pode afetar várias partes do corpo, incluindo os genitais, o ânus, os olhos e a garganta, causando vários sintomas. Contudo, em 80% dos casos femininos e 50% dos casos masculinos, não apresentam sinais. 

Quando ocorrem, os sintomas incluem: 

  • Nos casos genitais: dor urinária, corrimento pelo pénis e vagina, dor abdominal, dor testicular ou hemorragia intermenstrual;
  • Nos casos rectais: dor e corrimento pelo ânus;
  • Nos casos oculares: vermelhidão e desconforto nos olhos (conjuntivite). 

Nos casos em que a infeção não é tratada, pode disseminar-se e causar complicações e outras doenças, incluindo a doença inflamatória pélvica.

Chlamydophila pneumoniae

Esta estirpe pode causar clamídia nos humanos, uma infeção caracterizada pela inflamação dos pulmões. Esta pode causar sintomas como:

  • tosse
  • problemas respiratórios
  • febre
  • aumento dos batimentos cardíacos
  • dor no peito 

Os casos menos severos podem ser tratados com antibióticos, contudo, casos mais graves podem necessitar de internamento. A recuperação pode levar até seis meses, quando se trata de um caso grave de pneumonia. 

Como doença respiratória, a pneumonia é normalmente causada por germes respirados. Tal como outras infeções presentes no ar, pode ser causada pelo toque, tosse e espirros.

A pneumonia pode ser causada por diferentes tipos de bactérias, bem como por infeções virais e fúngicas, por isso é difícil saber em que casos foi causada apenas pela chlamydophila pneumonia. Porém, estima-se que a taxa de infeção seja de 6 a 25%.

Esta estirpe da bactéria pode também causar bronquite e estudos também relacionaram a infeção com o aumento do risco de cancro do pulmão** e aterosclerose***. A presença desta bactéria também pode aumentar a gravidade dos sintomas de asma.

Chlamydophila psittaci

Esta espécie da bactéria de clamídia pode causar uma condição conhecida como psitacose, também conhecida como febre de papagaio, sendo normalmente transportada e transmitida por papagaios. Em humanos, a psitacose apresenta sintomas semelhantes aos da gripe (dores de cabeça, febre e dor muscular) e pode levar a pneumonia. Pensa-se que a psitacose foi primeiro observada em 1800, contudo a bactéria apenas foi devidamente identificada em 1960.

A condição não é comum. A Saúde Pública de Inglaterra relata que em Inglaterra e no País de Gales, apenas são confirmados 25 a 50 casos anualmente. Esta é normalmente causada por penas de aves ou excrementos contaminados. Por este motivo, os indivíduos com um risco mais elevado de contrair a infeção, são aqueles mais frequentemente expostos a pássaros. 

Quer em pássaros quer em humanos, a Chlamydia psittaci pode também causar infeções em mamíferos e em alguns répteis.

Página revista em:  26/10/2017