Uma das inevitabilidades da discussão médica a larga escala, assim que esta começou, é o aparecimento de teorias diferentes. Porém, pode sempre contar com a opinião médica e os resultados dos diferentes estudos. Apesar disto poder causar alguma perturbação na comunidade médica, consultar informação em vários websites ou media não ajuda particularmente a quem procura informação, especialmente se o tema for a disfunção erétil.

O lado positivo é que esta condição tem sido explorada extensivamente ao longo dos últimos 20 anos. Existem várias opções de tratamento disponíveis para quem precisa destas. Os comprimidos para a disfunção erétil estão disponíveis sujeitos a receita médica, pelo que pode obter mais informação ao consultar informação online (como aqui) ou ao visitar o seu médico de família. 

Porém, a má notícia é que existe tanta informação disponível, que pode ser difícil saber por onde começar quando quer saber mais sobre a disfunção erétil. Em particular, o assunto remédios naturais para a disfunção erétil é talvez mais debatido do que qualquer outro no campo da disfunção sexual. No final de contas, os medicamentos sujeitos a receita médica não estão indicados para todas as pessoas, principalmente para quem toma nitratos para problemas arteriais ou bloqueadores alfa para a hipertensão.

Ouvimos de forma regular inúmeras ideias sobre soluções não sujeitas a receita médica. Porém, quem procura tratamento para a condição quer a opção mais segura, rápida e eficaz para a tratar. Por isso, apesar dos remédios ou tratamentos naturais serem uma opção testada por muitas pessoas, será que funcionam?

 

Acupunctura

Este tratamento, com vários séculos de idade, consiste em inserir agulhas finas em pontos de pressão nas costas, tem sido citado como uma opção viável para os problemas de ereção. Durante uma consulta, o profissional responsável por exercer esta técnica irá avaliar primeiro o seu estado de saúde geral. Depois, após ser colocado na posição de tratamento, geralmente de barriga para baixo, começa a inserção das agulhas. Estas podem causar uma sensação de formigueiro inicialmente, mas geralmente não causam dor. Após a inserção, será deixado nesta posição durante meia hora, após a qual as agulhas são removidas.

Esta prática pensa-se atuar pelo relaxamento da tensão dos músculos, ajudando a melhorar a circulação sanguínea. Contudo, a evidência demonstra que os seus benefícios no tratamento da disfunção erétil são poucos. Uma revisão de estudos sobre o assunto desenvolvida por investigadores sul-coreanos em 2009, revela que dos 80 estudos encontrados, menos de metade eram baseados em observações clínicas e destes, apenas quatro eram fidedignos. Mesmo nesta seleção, os resultados não foram conclusivos. De uma forma geral, a acupunctura não é considerada diretamente benéfica para homens com disfunção erétil.

De forma indireta, a acupunctura pode aliviar o stress, o que por sua vez pode ajudar na disfunção erétil. Porém, existe pouca evidência de que a acupunctura possa tratar casos relacionados com alterações no fluxo sanguíneo.

 

DHEA

A dehidroepiandrosterona (ou DHEA) é uma hormona naturalmente presente, produzida pelas glândulas adrenais no corpo. Muitos afirmam que esta substância contribui para o funcionamento saudável do sistema imunitário, para além de ajudar a manter a integridade muscular e óssea. No corpo, a DHEA é convertida em testosterona e estrogénio, que são vitais para a função sexual em homens e mulheres, respetivamente. Por este motivo, a suplementação com DHEA pode ajudar a substituir os baixos níveis de testosterona, frequentemente encontrados em homens com disfunção erétil

Contudo, o uso de DHEA como suplemento apresenta vários possíveis riscos para a saúde, uma vez que pode inibir a função da glândula pituitária. Como os efeitos a longo prazo do uso da DHEA ainda não foram completamente investigados, os médicos geralmente não recomendam esta opção para a disfunção erétil.

 

L-Arginina

Ao ser um tipo de substância natural denominado aminoácido, a arginina ajuda o corpo a utilizar proteínas, bem como assiste no processo de recuperação. Este é um nutriente essencial encontrado em alimentos como a carne de frango, porco e vaca, derivados do leite, ovos, salmão e anchovas.

Devido aos seus efeitos na produção de ácido nítrico, pensa-se também ajudar a relaxar os vasos sanguíneos, um processo fundamental no tratamento da disfunção erétil. Estudos concluíram que esta pode ser benéfica nos casos de disfunção erétil acompanhados por doença cardiovascular, onde a função do óxido nitroso pode estar comprometida. Numa investigação em particular, desenvolvida por cientistas búlgaros, os resultados demonstraram que a arginina tomada em conjunto com extracto de pinho, produz benefícios consideráveis e praticamente nenhuma reação adversa

Contudo, a arginina pode produzir interações em homens que tomam outros medicamentos, pelo que a sua toma deve ser feita com precaução. Consulte o seu médico antes de tomar este suplemento.

 

Gengibre vermelho coreano

Pouca investigação clínica tem sido feita em relação aos efeitos do ginseng vermelho coreano para a impotência e a pouca investigação feita, é contraditória. Um estudo desenvolvido em 2002 sugeriu que este pode melhorar a firmeza do pénis. Contudo, outro estudo, desenvolvido na Coreia dez anos depois, que ganhou voz através dos media, encorajou que o ginseng tinha efeitos semelhantes aos do Viagra na potência erétil, porém este não foi visto com os mesmos olhos pelos serviços de saúde. Estes afirmam que o ginseng é pouco melhor que um tratamento placebo em aliviar os sintomas de disfunção erétil.

Como é de esperar, não é completamente compreendida a forma como o ginseng atua no corpo para aumentar o desempenho sexual. Médicos especulam que este pode melhorar a produção de óxido nítrico, ajudando a aliviar a tensão nos vasos sanguíneos e a facilitar o fluxo sanguíneo para o pénis. Contudo, os suplementos de ginseng podem causar interações quando tomados em conjunto com outros tratamentos, pelo que se aconselha consultar primeiro o seu médico.

 

Yohimbe

Retirado da casca do Yohimbe, uma árvore encontrada no Oeste africano, este remédio natural está disponível como suplemento, porém, também contribuiu para o desenvolvimento de um tratamento de prescrição, o Cloridrato de Yohimbe, que era prescrito por alguns médicos para a disfunção erétil, antes do Viagra estar disponível. Este ajuda a dilatar os vasos sanguíneos, o que pode aumentar o fluxo de sangue.

Porém, para além da sua capacidade em controlar os sintomas de disfunção erétil ter sido questionada, vários efeitos secundários foram associados ao Yohimbe, incluindo a hipertensão arterial, bem como os problemas renais. Por este motivo, os médicos aconselham os pacientes a não usarem esta substância.

 

Horny Goat Weed

Esta substância é mais conhecida do que muitas das substâncias mencionadas nesta lista, muito devido a ter sido usada durante muitos anos para o tratamento da disfunção erétil. Este é um medicamento proveniente do oriente, cujo principal componente é a icarina, que se pensa produzir efeitos a nível da função erétil. Este produz efeitos semelhantes aos inibidores da PDE-5, encontrados no Viagra e Cialis.

A PDE-5 é uma enzima que tem um efeito constritor nos vasos sanguíneos, levando à redução do fluxo sanguíneo para o pénis durante a excitação sexual. Ao bloquear esta enzima, os medicamentos como o sildenafil aumentam o fluxo sanguíneo para o pénis, permitindo ao utilizador obter ereções firmes e consistentes.

Apesar de atuar de forma semelhante, a icarina não se pensa ser tão potente como outros medicamentos de prescrição. Tal como outras opções naturais, a Horny Goat Weed pode causar efeitos secundários, especialmente quando tomado em conjunto com outros medicamentos. Por este motivo, não deve ser tomado sem recomendação médica.

 

Ginkgo Biloba

O tratamento da disfunção erétil não tem sido relacionado com o Ginkgo biloba. Este extracto de árvores tem sido usado no tratamento de problemas cognitivos, uma vez que alguns estudos revelam que este pode retardar o aparecimento de demência. Porém, apesar de alguns médicos no passado o terem prescrito para homens que sofriam de disfunção erétil como efeito secundário de medicamentos antidepressivos, não existem dados que provem a sua eficácia. É necessário consultar o seu médico antes de optar por este tratamento alternativo.

 

Sumo de toranja

Este popular antioxidante tem várias qualidades para quem procura melhorar a sua saúde em geral. Este pode ajudar no fluxo sanguíneo e a reduzir o risco de doenças respiratórias, como aquelas relacionadas com a hipertensão arterial. Mas qual o seu papel no desempenho sexual?

Em 2007, uma investigação desenvolvida por cientistas californianos, mostrou que dos homens testados, 47% apresentou melhorias após beber um copo de sumo de toranja todos os dias, durante quatro semanas. Porém, tal como aconteceu com o estudo sobre o ginseng vermelho coreano, o serviço de saúde britânico encontrou falhas na investigação que indica que o sumo de toranja melhora os sintomas de disfunção erétil significativamente.

Contudo, as vantagens em geral do sumo de toranja, são suficientes para que este seja testado. Se este não produzir resultados, também não prejudica a saúde cardiovascular.

A evidência sobre a eficácia dos tratamentos naturais é inconclusiva. Enquanto alguns médicos se referem a estes como uma alternativa viável, outros estudos sugerem que estes não se comparam aos medicamentos de prescrição.

Tomar medidas para prevenir os sintomas é talvez a melhor opção para homens que procuram tratar a disfunção erétil sem tomar medicamentos. Várias alterações podem contribuir para melhorar os sintomas, como limitar o consumo de álcool, parar de fumar, reduzir o consumo de gorduras saturadas e reduzir o stress.

Nos casos em que estas medidas não ajudam, falar sobre o problema pode. Lembre-se que a sua parceira também é afetada. Falar sobre o problema pode ajudar a ultrapassá-lo, bem como consultar o seu médico.

Página revista em:  23/11/2017