A maioria dos homens sofre de problemas de ereção pelo menos uma vez durante as suas vidas. Estes são bastante comuns e podem ser causados por vários fatores. Um fluxo sanguíneo pobre é uma causa frequentemente citada, motivo pelo qual a condição é mais prevalente em homens mais velhos, que são mais suscetíveis a doenças como a hipertensão arterial e a diabetes, que impedem a boa circulação.

A disfunção erétil de origem psicológica, por outro lado, é descrita por um estudo, como sendo causada por determinantes psicológicos ou interpessoais. Estes podem ser variados e pouco aparentes até que alguns problemas se comecem a desenvolver durante as relações sexuais. Estes podem por vezes ser temporários e passar sem a necessidade de intervenção.

Porém, nos casos em que os problemas persistem, pode ser necessário tratamento. Abordar estes problemas com a sua parceira ou procurar tratamento junto de um médico, são passos importantes para resolver o problema.

Aqui pode encontrar o nosso guia para as causas psicológicas da disfunção erétil e o que pode fazer para as ultrapassar:

Ansiedade

Esta é frequentemente definida como a pressão de um bom desempenho sexual. É mais frequente em novos relacionamentos, podendo o homem estar nervoso e sofrer de ansiedade para impressionar a parceira. Este problema não é frequentemente persistente e pode passar à medida que ambos os parceiros ficam mais confortáveis com as relações sexuais.

Contudo, a ansiedade relacionada com o desempenho sexual pensa-se ser uma das causas psicológicas mais comuns de impotência, sendo considerada um fator major devido à sua natureza cíclica. Isto significa que quanto mais ansioso o homem está relativamente à sua prestação sexual, pior será o seu desempenho e mais ansioso ficará, causando uma espiral de detioração.

Nestes casos, é importante falar do problema o mais cedo possível. Quanto mais tempo o problema permanecer por tratar, mais frequentemente se torna um obstáculo. Por vezes uma conversa com a sua parceira pode ser o suficiente para resolver as suas preocupações e diminuir a ansiedade. Porém, se esta não for suficiente a resolver o problema, pode ser necessário consultar o seu médico de família. Este poderá aconselhar e sugerir a melhor forma de tratamento para o ajudar a superar este período difícil e a recuperar a sua confiança.

Stress

As causas psicológicas da disfunção erétil nem sempre se relacionam com o sexo. Por vezes, problemas no trabalho, períodos de dificuldades financeiras ou stress relacionado com outras áreas da sua vida podem ter um impacto significativo no seu desempenho. Existem vários motivos. Os especialistas consideram que durante períodos de stress, a atividade em algumas áreas do cérebro, incluindo naquelas responsáveis pelo desejo sexual, começa a diminuir. 

Outro motivo pode ser a distração. Quando o cérebro lida com stress, torna-se mais difícil manter-se focado nas relações sexuais. O comportamento hormonal em períodos de stress pensa-se desempenhar também um papel. O cortisol, uma hormona produzida pelo corpo em períodos de stress, pode levar a problemas sexuais e durante períodos de stress os níveis de testosterona (essencial ao desejo sexual) podem diminuir.

Lidar com o problema na sua origem, pode ajudar a reduzir o stress. Isto pode incluir falar com o seu patrão para reduzir a sua carga horária se sente demasiada pressão no trabalho ou obter aconselhamento sobre problemas financeiros que lhe possam estar a causar preocupação.

Depressão

A perda de autoestima, a fadiga em geral e perturbações alimentares ou do sono, são sinais bem conhecidos de depressão. Porém, um dos sintomas comuns da depressão menos falados é a disfunção erétil. De facto, ambos os problemas podem por vezes contribuir para o seu agravamento mútuo.

Um estudo demonstrou que os tratamentos sujeitos a receita médica como o Viagra, podem melhorar os casos de disfunção erétil em homens deprimidos e nalguns casos, reduzir os sintomas de depressão. Porém o tratamento da depressão deverá iniciar-se com uma abordagem médica. O seu médico poderá aconselhá-lo a procurar um terapeuta ou a seguir outras formas de tratamento

Nalguns casos, podem ser recomendados medicamentos de prescrição para a depressão. Porém, alguns destes podem ser exacerbados pela impotência. Informe o seu médico ou terapeuta se os seus sintomas se agravarem, para que possam ser feitos os ajustes necessários ao tratamento.

Perda de interesse

Um padrão que pode encontrar entre a maioria das causas psicológicas de disfunção erétil é a sua natureza cíclica. A perda de desejo sexual ou libido pode ser um exemplo disto. Os homens têm uma maior suscetibilidade aos problemas de ereção se não tiverem interesse sexual e são mais suscetíveis à falta de libido se sofrerem de disfunção erétil

Os problemas no relacionamento podem causar falta de libido. Como por exemplo no caso do sexo já não ser satisfatório devido a demasiada familiarização ou a problemas no relacionamento. Falar com a sua parceira sobre o assunto ou procurar ajuda em organizações com este fim, pode ajudar. Contudo, é aconselhado, particularmente se achar que não existe nenhum problema com o seu relacionamento, falar com o seu médico. Por vezes a perda de libido pode ter uma causa médica ou ser um efeito secundário de um tratamento sujeito a receita médica.

É importante não esquecer que a perda de desejo sexual pode ser por vezes a consequência de outros fatores nesta lista, como a depressão ou o stress. Tomar medidas para resolver estes problemas pode também ajudar a restabelecer o seu desejo, reduzindo a probabilidade de disfunção erétil.

Dependência de tratamento para a disfunção erétil

Os medicamentos para a disfunção erétil são uma solução que muitos homens com diminuição da circulação sanguínea seguem. Estes podem ser uma opção de tratamento viável a curto-prazo para homens que sofrem de impotência relacionada com a ansiedade, ajudando-os em períodos mais difíceis e restabelecendo a sua confiança.

Porém, alguns especialistas argumentam contra este facto, suportados por um estudo publicado no Journal of Sexual Medicine, que afirma que os medicamentos deste tipo, quando usados de forma recreativa, podem levar a que o utilizador ache não é capaz de conseguir uma ereção sem os mesmos.  

Talvez a forma de evitar este efeito seja determinar a causa responsável pela disfunção erétil antes de tomar medidas para a tratar. Os casos físicos causados por um aporte sanguíneo pobre podem necessitar de tratamento para a disfunção erétil de forma mais regular ou contínua. Contudo, nos casos em que a ansiedade de desempenho é a causa, o tratamento de prescrição deve ser considerado como uma solução a curto-prazo, para aumentar a confiança.

De qualquer das formas, deve consultar o seu médico se sofre de problemas sexuais. Por as causas responsáveis serem tão vastas, o seu médico será capaz de identificar a origem do problema e recomendar-lhe o melhor tratamento.

Página revista em:  20/10/2017