Os primeiros episódios de disfunção erétil podem ser assustadores. É fácil começar a questionar-se sobre o motivo do problema e concluir precipitadamente que algo de errado de passa com o seu relacionamento. Porém, em particular no caso de homens mais velhos, a disfunção sexual pode ser o resultado de uma condição física e para alguns, pode ser mesmo um indicador de um problema de saúde não diagnosticado.

O processo de ereção é complexo. Este envolve a transmissão de sinais nervosos a partir do cérebro pela espinal medula até ao pénis. Sendo estes responsáveis pelo controlo da circulação sanguínea no pénis, em particular nos corpos cavernosos. Se este processo for interrompido, a capacidade do homem em conseguir uma ereção suficiente para uma relação sexual bem sucedida, pode ser comprometida.

Antes de optar por comprimidos para a impotência, considere primeiro alguns problemas de saúde que se podem relacionar com a condição. Aqui estão presentes oito fatores que deve abordar com o seu médico se sofrer sintomas de disfunção erétil:

Hipertensão arterial

É uma das condições vasculares mais comuns, sendo particularmente prevalente em pessoas com mais de 65 anos. A tensão arterial elevada pode ser o resultado de uma dieta rica em sal, do excesso de peso ou obesidade, do consumo excessivo de álcool ou do tabagismo. Esta leva a que o coração exerça mais força que o normal e aumenta o efeito de resistência das artérias. Isto significa que a circulação sanguínea pelo corpo é mais restrita, levando a problemas. Consequentemente, o fluxo sanguíneo para o pénis pode ficar mais reduzido, resultando em disfunção erétil.

Resultados de inúmeros estudos apontam para uma relação entre a hipertensão e a disfunção erétil. Uma investigação feita por cientistas do Qatar em 2007 avaliou a função erétil de 296 homens que sofriam de hipertensão arterial e de 298 homens sem este problema. Dos homens com hipertensão, cerca de dois terços (66%) afirmam sofrer de sintomas de disfunção erétil, com menos de um quarto (24%) daqueles sem hipertensão, a reportar este tipo de problemas.

Colesterol elevado

Outra condição que pode restringir a circulação de sangue é o colesterol elevado. Este pode levar à presença de gordura nas artérias, que pode reduzir a circulação de sangue pelo corpo, incluindo para o pénis. Tal como a hipertensão arterial, pode ser causado por hábitos alimentares pouco regrados, falta de exercício físico, consumo excessivo de álcool e tabagismo.

Diabetes

Cerca de 1 milhão de pessoas em Portugal sofre de diabetes, correspondendo 90% destes casos à diabetes tipo 2. Esta é uma condição que se caracteriza pela produção insuficiente de insulina para controlar os níveis de açúcar no sangue. Pode também causar danos nos vasos sanguíneos, incluindo aqueles que aportam sangue ao pénis. Os danos nervosos são também um efeito da diabetes, podendo estes inibir a transmissão de sinais de prazer pelo corpo.

Consequentemente, muitos homens (cerca de metade, de acordo com um estudo) com a condição irão desenvolver sintomas de disfunção erétil a determinada altura. A WebMD cita também que homens com diabetes são mais prováveis de sofrer de disfunção erétil numa idade mais jovem, cerca de 15 anos antes do que se não sofressem de diabetes.

Hiperplasia Benigna da Próstata

Apesar da hiperplasia benigna da próstata poder não estar completamente relacionada com a disfunção erétil, as duas condições podem frequentemente estar presentes ao mesmo tempo. Apesar deste facto ainda não ser bem compreendido pelos médicos, alguns sugerem que os sintomas de hiperplasia da próstata, como a necessidade de ir à casa-de-banho e consequente insónia, podem indiretamente causar falta de libido e reduzir a potência erétil

Recentemente, alguns médicos descobriram que o tratamento diário com tadalafil, o princípio ativo do Cialis, pode eficaz para a hiperplasia benigna da próstata, nos casos em que também está presente disfunção erétil. Isto levou a que a FDA nos Estados Unidos aprovasse este tratamento para a condição.

Problemas neurogénicos

A impotência é uma consequência menos considerada nas condições que afetam o cérebro, a espinal medula e o sistema nervoso. Porém é uma condição com impacto significativo. Um estudo recente sobre o assunto concluiu que mais de metade dos homens entrevistados com esclerose múltipla (52,9%) sofriam de disfunção erétil. Outra condição que se relaciona com a disfunção erétil é a doença de Parkinson, onde mais de dois terços (68,4%) dos indivíduos com a doença sofrem de sintomas semelhantes. A perda de função erétil também foi concluída em estudos com pessoas vítimas de AVC .

O motivo pelo qual estas condições causam problemas de função erétil deve-se à inibição da capacidade de condução nervosa entre o pénis e o cérebro e a sua capacidade de comunicar sinais pelo corpo. Como resultado, pode ser mais difícil conseguir atingir excitação, tornando as ereções mais difíceis.

Desequilíbrios hormonais

Por vezes a disfunção erétil pode dever-se a problemas hormonais no corpo, mas apenas em casos raros estes são a única causa. Investigações encontraram pouca evidência entre os baixos níveis de testosterona e a disfunção erétil. Contudo, os baixos níveis de testosterona podem causar diminuição da libido. 

Os níveis de testosterona reduzidos pensa-se atuarem em conjunto com os problemas de circulação sanguínea, causando disfunção erétil. Porém, o uso de terapia de substituição hormonal para o tratamento da disfunção erétil ainda não foi completamente explorado, pelo que a maioria dos médicos considera medidas para melhorar a circulação sanguínea antes de considerar esta solução.

Doença Renal

Devido à sua capacidade de interromper a circulação sanguínea e causar danos nervosos, a doença renal é outro motivo pelo qual a disfunção erétil se pode desenvolver. A disfunção erétil pode também ser uma consequência dos medicamentos necessários ao tratamento da doença renal.

Lesões

O trauma e as lesões no baixo abdómen, região genital ou perianal podem ser outra causa dos problemas de ereção. Estes podem resultar em danos nervosos ou vasculares, interferindo com os processos no corpo necessários à ocorrência de uma ereção.

De qualquer forma, se sofre de disfunção erétil e pensa que esta pode ser causada por um dos fatores mencionados acima, deve consultar o seu médico. Este será capaz de sugerir um ciclo de tratamento adequado para a condição em causa, que pode também ajudar a tratar os sintomas de disfunção erétil.

Página revista em:  20/10/2017