Aproximadamente 1 milhão de portugueses com mais de 30 anos sofrem de diabetes, de acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde. O relatório da OCDE indica Portugal como o país com mais alta taxa de prevalência da doença. Diferentes estudos apontam para o exercício físico como saudável para o diabético, porém, é preciso seguir uma série de orientações, para além de um acompanhamento médico regular. Neste artigo, tiramos algumas dúvidas acerca da prática desportiva para os diabéticos.


O desporto é recomendável para o diabético?
Quais desportos pode o diabético praticar?
Quais os efeitos do desporto no corpo do diabético?
Quais cuidados devo tomar?
Quais são os principais sintomas que devo estar atento?
Como estar bem preparado para a prática desportiva?

O desporto é recomendável para o diabético?

Sim.

O desporto e a prática de exercícios, em geral, é recomendada para pessoas com todos os tipos de diabetes. O exercício físico pode fortalecer o sistema cardiovascular e os músculos do corpo, além de ajudar a manter um peso saudável. O desporto pode auxiliar na melhora da imunidade e proteger contra doenças cardíacas, acidente vascular encefálico, cancro e outras doenças mais graves. Pode também melhorar a saúde mental, a autoestima, o sono, diminuir o stresse, a depressão e proteger contra demência e Alzheimer.

Um estudo publicado na Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo afirma que a atividade física é considerada uma ferramenta fundamental para o controlo metabólico e diminuir o risco cardiovascular de pacientes com diabetes tipo 2. Sugerem um mínimo de 150 minutos por semana de exercício aeróbico de intensidade moderada a vigorosa, e mais um mínimo de 2 sessões semanais de exercício resistido. Porém, é preciso um controlo constante e acompanhamento médico. O maior cuidado a ter com a prática do exercício físico ou desporto é ter uma hipoglicemia, ou hiperglicemia indesejada.


Quais desportos pode o diabético praticar?

Diferentes desportos exigem diferentes cuidados, pois, a reação do corpo pode ser diferente. Alguns desportos, como o jogging moderado, pode levar a uma redução da glicose no sangue, quanto exercícios que exigem mais da parte superior do corpo podem levar a aumentos nos níveis de açúcar no caso de uma sessão muito longa. Uma forma de saber o efeito de determinados desportos no seu corpo é realizar testes de glicose antes, durante e após a atividade.

Leia o nosso guia para o futebolista diabético. O website Diabetes.co.uk oferece dicas específicas para diferentes desportos como basquetebol, ciclismo, ténis, yoga, dentre outros. 


Quais os efeitos do desporto no corpo de um diabético?

Ter a glicose muito alta ou muito baixa pode impactar negativamente a sua prática desportiva, portanto, é indicado manter um nível pré-determinado. Quem toma insulina, costuma ter bons níveis de glicose, mantendo-se entre 5 e 11 mmol/l. Já quem tem diabetes tipo 2, pode consumir uma maior dose de glicose no sangue.

No início da prática desportiva, a reserva de glicose nos músculos são usadas como a principal fonte de energia do corpo. A absorção da glicose pelos músculos é equilibrada pela glicose liberada do fígado. Porém, a glicose do fígado é limitada, portanto, quem tem diabetes tipo 1, pode tornar-se hipoglicêmico durante a prática desportiva, caso a pessoa não consuma carboidrato ou, se a insulina não for reduzida. Já pessoas com diabetes tipo 2 que tomam insulina ou sulfonilureias podem ficar hipoglicêmicos. Conforme o exercício físico é praticado, surgem outras fontes de energia, como as gorduras, que podem ser utilizadas pelos músculos.

Quais cuidados devo tomar?

É preciso ter atenção aos baixos níveis de glicose, caso esteja a tomar os seguintes medicamentos:

  1. Insulina
  2. Sulfonilureia
  3. Repaglinida

Caso faça qualquer um dos tratamentos mencionados acima, é importante estar atento à ocorrência de hipoglicemia ao consumir hidratos de carbono suficientes antes e durante o exercício físico ou reduzir a dose do medicamento antes da prática. Uma prática desportiva intensa ou longa pode diminuir os níveis de glicose no sangue por até 48h.


Quais são os principais sintomas que devo estar atento?

O diabético que pratica desporto deve estar atento à hipoglicemia e a hiperglicemia. A hipoglicemia pode ocorrer quando alguém que está a tomar medicamento consumir muitos carboidratos; tomar uma dosagem alta antes do exercício; ou ambos. Quem não está a tomar medicamento não precisa ter os mesmos cuidados, mas deve beber bastante água antes, durante e após a prática desportiva. Veja abaixo alguns dos sintomas da hipoglicemia e da hiperglicemia que deve-se estar atento:

Sintomas da hipoglicemia:

  1. Suor
  2. Tremor
  3. Tontura
  4. Ansiedade
  5. Dor de cabeça
  6. Falta de concentração
  7. Desmaios e convulsões (casos mais graves)

Sintomas da hiperglicemia:

  1. Desidratação
  2. Necessidade de urinar com mais frequência
  3. Letargia
  4. Visão turva


Como estar bem preparado para a prática desportiva?

  1. Ser capaz de se testar e realizar o automonitoramento.
  2. Certificar-se de que a sua bomba de insulina não será perturbada pela atividade.
  3. Seguir a orientação médica acerca do que comer durante a atividade. Pode precisar de lanche extra antes, durante ou depois de praticar desporto.
  4. Levar lanches e água sempre.
  5. Leve material de teste suficiente, medicação, informações de contato de emergência.
  6. Escolha o local da sua injeção com sabedoria, se planeia se exercitar. Não administre insulina a uma parte do corpo que esteja a ser usada ativamente na atividade.
  7. Diga às pessoas que tem diabetes. Não faça exercícios com pessoas que não sabem que é diabético. Não há nada para se envergonhar, então não esconda, particularmente de professores ou treinadores desportivos.
  8. Esteja preparado para parar. Fique atento aos sinais do seu corpo. Em alguns casos, isto pode ser suficiente para beber água, comer um lanche ou testar os níveis de açúcar no sangue.
  9. Deve lembrar-se de tomar um cuidado especial com os pés durante o exercício. Escolha um sapato confortável e fique atento a sinais de atrito ou feridas.
Página revista em:  14/11/2018