A pílula é uma forma de contraceção altamente eficaz e segura. Contudo, tal como outros tipos de medicamentos, apresenta alguns riscos para a saúde.

A pílula contracetiva combinada é constituída por hormonas femininas, o estrogénio e a progesterona, que alteram o equilíbrio hormonal normal no corpo. Em algumas mulheres, isto pode causar efeitos secundários. 

É importante para as mulheres a tomar a pílula, compreender o impacto que esta pode ter na sua saúde, para que possam ser reconhecidos quaisquer problemas caso ocorram, para procurar aconselhamento médico.

Efeitos secundários

Coágulos sanguíneos

Se já se encontra a tomar a pílula contracetiva combinada ou considera começar a utilizá-la, deve ter em conta o risco de tromboembolismo venoso, também conhecido como coágulos sanguíneos. Os coágulos sanguíneos podem formar-se dentro das veias quando o sangue tem um fluxo mais lento ou para, causando um bloqueio. Nos casos em que um coágulo sanguíneo atinge o coração ou o cérebro, pode resultar um AVC ou um ataque cardíaco. 

Contudo, a Faculty of Sexual and Reproductive Health afirma que este risco é baixo, e para a maioria das mulheres que toma a pílula combinada, os benefícios superam os potenciais riscos. 

Existem alguns fatores que podem aumentar o seu risco de desenvolver tromboembolismo venoso, como fumar ou ter excesso de peso. O seu médico de família irá ter em consideração quaisquer potenciais contraindicações antes de prescrever a pílula como forma de contraceção para si.

É particularmente importante que se familiarize com os sintomas de coágulo sanguíneo, se está atualmente a tomar a pílula. Deve ter em conta:

  • Dor severa na perna
  • Falta de ar súbita
  • Respiração acelerada
  • Dor no peito
  • Tosse inexplicada que pode incluir sangue
  • Desconforto na parte superior do corpo que pode atingir a mandíbula, garganta, costas ou braços
  • Náuseas e vómitos
  • Tonturas
  • Dificuldade em falar
  • Desorientação
  • Perda de visão ou visão turva
  • Dor de cabeça severa ou enxaquecas

O aumento do risco de coágulos sanguíneos está relacionado com o AVC e o ataque cardíaco.

Cancro

Existem estudos em curso que investigam a relação entre a pílula hormonal combinada e o cancro. Existem investigações que afirmam que a pílula tem um risco ligeiramente mais elevado de desenvolver certos tipos de cancro, como o cancro da mama e cervical. Contudo, a pílula também pode reduzir o risco de outros tipos de cancro, como o cancro do ovário ou do endométrio. 

O risco de desenvolver cancro dos ovários ou do endométrio diminui com o uso de contracetivos hormonais combinados. Quanto mais tempo a pílula é tomada, maior a proteção contra estes tipos de cancro. Por exemplo a FSRH afirma que o risco de desenvolver cancro dos ovários é reduzido em cerca de metade após 15 anos do uso de contracetivos combinados. 

Estão disponíveis rastreios gratuitos no sistema nacional de saúde para mulheres que se encontrem no intervalo de risco para estas doenças. É importante fazer rastreios regulares para que possa receber tratamento o mais cedo possível. Se no período entre rastreios notar alguma alteração, deve marcar uma consulta com o seu médico de família. 

Mulheres com historial de cancro, em particular cancro da mama ou cancro cervical podem ser aconselhadas a não tomar a pílula contracetiva.

Contraindicações da pílula contracetiva combinada:

Devido aos potenciais efeitos secundários que a pílula combinada pode causar, existem algumas restrições relativamente a quem pode tomar este tipo de medicamento. Se se enquadrar nalguma das categorias abaixo ou tiver historial de alguma destas condições, o seu médico muito provavelmente irá optar por uma opção contracetiva alternativa.

Excesso de peso

As mulheres com excesso de peso ou obesas não devem usar contracetivos combinados, uma vez que estes aumentam o risco de problemas cardiovasculares e cerebrovasculares, bem como o risco de tromboembolismo, que pode causar AVC e ataque cardíaco.

Enxaquecas

Os sintomas de enxaquecas, especificamente aqueles combinados com aura, podem ser exacerbados pelas hormonas femininas libertadas pela pílula. Isto deve-se ao estrogénio e à progesterona poderem desencadear sintomas de enxaquecas nalgumas mulheres.

 

Formas de contraceção alternativas:

Se a pílula contracetiva combinada não estiver indicada para si, existem outras opções contracetivas disponíveis. Se alguma da informação fornecida acima lhe causar preocupação, consulte o seu médico de família sobre métodos de contraceção alternativos. 

Os riscos acima descritos são baixos e o seu médico de família terá em conta o seu estado de saúde em geral, historial médico e familiar quando optar por um determinado método contracetivo. Quando usadas corretamente, todas as formas da pílula são muito eficazes e seguras. A pílula continua a ser um dos métodos contracetivos preferidos das mulheres portuguesas.

Página revista em:  25/10/2017