Tem dúvidas sobre os mitos e quer saber a verdade sobre a contraceção? Neste artigo informamos os mitos mais populares associados à prevenção da gravidez.

1. Coito interrompido

O coito interrompido é suposto ser uma forma de contraceção natural, que impede a entrada dos espermatozoides na vagina. Este consiste na remoção do pénis da vagina antes do homem ejacular. 

Quando praticado com frequência, a taxa de fracasso é de cerca de 22% pelo que não é aconselhado como um método contracetivo eficaz. Isto deve-se ao pénis ejacular um líquido antes da ejaculação e durante o sexo, que pode conter espermatozoides. Contudo, este método é usado por cerca de 4-6% dos casais sexualmente ativo.

2. Posições sexuais contracetivas

Independentemente do que possa ter ouvido, não existem posições sexuais contracetivas. Se ocorrer penetração vaginal, a conceção é possível, independentemente da posição.

Mitos como “não é possível engravidar em pé” ou se a mulher estiver por cima ou se se sentar após o sexo, não são simplesmente verdade. A força da ejaculação, combinada com a posição do pénis dentro da vagina significam que os espermatozoides serão movimentados para o cérvix, independentemente da posição que esteja a usar. Fazer sexo no banho ou noutro lado qualquer não muda este facto

3. Não é possível engravidar na primeira vez

As mulheres podem engravidar sempre que tiverem sexo desprotegido, quer seja a primeira vez ou não. Também deve ser tido em conta que o homem também pode engravidar a mulher na primeira vez que tiverem tido sexo. Tudo o que precisa de acontecer para a fertilização ocorrer é o espermatozoide entrar em contacto com o óvulo

Se está a pensar em ter sexo pela primeira vez, é importante que se familiarize com as diferentes opções contracetivas que existem, para que possa desfrutar do sexo em segurança.

4. A pílula faz engordar

Não existe evidência conclusiva que sugira que a pílula causa aumento de peso. Contudo, a maioria das pílulas contracetivas têm as flutuações de peso descritas como potencial efeito secundário e as mulheres podem notar alterações no seu peso ao seguir este método contracetivo.

Contudo, é extremamente difícil estabelecer uma relação entre ambos, devido a fatores externos como a dieta, o exercício e o metabolismo. Se está preocupada que a sua pílula possa ter efeitos no seu peso, deve consultar o seu médico, para lhe poder ser aconselhada uma alternativa.

5. A pílula protege contra as DST

Não protege. A pílula combinada apenas é 99% eficaz a proteger contra a gravidez, se usada corretamente. Contudo, não oferece qualquer proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis (DST). A melhor forma de proteção contra estas, é a utilização de um preservativo feminino ou masculino

Aconselha-se a todas as pessoas sexualmente ativas, fazer testes regulares contra as DST. Estes podem ser realizados numa clínica privada ou numa consulta de planeamento familiar

6. Não é possível engravidar durante o período

Se não usa contraceção regular, é possível que engravide a qualquer altura do seu ciclo menstrual, incluindo durante o período. Existe a hipótese da ovulação poder ocorrer perto do fim do seu período e os espermatozoides podem manter-se vivos na vagina até cinco dias. 

É assim possível que os espermatozoides entrem em contacto com o óvulo e o fertilizem. Se quiser ter sexo durante a menstruação e não quiser arriscar uma gravidez, deve usar algum tipo de contraceção.

7. Amamentar é um contracetivo

Nem sempre. É possível que a amamentação seja utilizada como um contracetivo, mas apenas em algumas circunstâncias. 

Conhecida clinicamente como amenorreia da amamentação, pensa-se que esta seja 98% eficaz na prevenção da gravidez, quando usada corretamente. Para que esta seja eficaz, a mulher tem de amamentar completamente ou quase completamente de noite e de dia, não ter período (amenorreia) e ter dado à luz há menos de seis meses. Se um destes critérios não for cumprido, existe o risco de gravidez se não forem usados outros tipos de contracetivos.

Página revista em:  25/10/2017