O Halloween é visto como o dia mais assustador do ano, com filmes de terror em todos os canais de TV, fantasias de meter medo e abóboras decoradas. Como as atividades giram em torno da sensação de medo, investigamos se é possível “morrer de medo” literalmente. O que será que acontece com o nosso corpo quando “morremos de medo”? É possível mesmo morrer de medo ou é apenas uma expressão?
Conversamos com o Dr Daniel Atkinson, líder clínico da Treated.com, para obter respostas sobre este tema intrigante.

Qual a origem do Halloween? Existe Halloween em Portugal?

O Halloween foi levado para os Estados Unidos da América pelos imigrantes irlandeses.Esta celebração origina-se na festa pagã celta chamada Samhain, em que os mortos votam para terra. Nesta festa, as pessoas se vestiam com peles de animais para assustar os maus espíritos. Com o Cristianismo, Samhain passou a chamar-se All Hallow Day (Dia de Todos os Santos). (1)

Este festejo, no formato que é conhecido hoje em dia internacionalmente, não é uma tradição seguida em Portugal. Mesmo assim, é possível encontrar tradições semelhantes no país. Em algumas partes do país, miúdos batem à porta numa tradição chamada “pão-por-Deus”, também conhecida como “Dia do bolinho”, “Pedir o Santorinho”, “Fiéis de Deus” ou “Pão das Almas”. Os miúdos esperam com esta brincadeira ganhar bolos, romãs, doces, nozes e frutas secas. (2) No norte de Portugal, existem diversas tradições pagãs como a Festa da Cabra e a Festa do Canhoto, em Cidões. (3) Esculpir abóboras é uma tradição na Beira e são conhecidas também como coca ou coco, chamadas assim por conta de um monstro com o mesmo nome. Estas semelhanças não são meras coincidências devido à presença de tradições Celtas em ambos países.

O que acontece com o corpo quando sentimos medo?

Quando sentimos um grande medo, o nosso corpo reage ao alterar o batimento cardíaco, as pupilas dilatam-se, podemos tremer, ficar com o rosto pálido ou avermelhado e é também possível começar a suar excessivamente. Porque o corpo reage desta forma? Esta reação é chamada mecanismo de “fuga ou luta”.

O mecanismo de fuga ou luta faz com que o seu corpo esteja preparado para lidar sob pressão. Este mecanismo ocupa um papel central na nossa sobrevivência e ajuda-nos a lidar com ameaças.(4) Este mecanismo foi introduzido em 1933 pelo psicólogo Walter Bradford Cannon. Esta teoria explica que esta é uma reação animal diante de uma ameaça, seguida por uma descarga no sistema nervoso que gera a reação de fuga ou luta.(5)

Esta noção já existia na era pré-histórica. Os nossos ancestrais lidavam com o perigo em diversas situações. Podiam então lutar ou fugir de determinados acontecimentos inesperados. A resposta psicológica e fisiológica ao stresse prepara o corpo para reagir ao perigo. O stresse altera o nosso mecanismo psicológico para focar na situação que o causou. O batimento cardíaco e a tensão sanguínea aumentam, e a respiração torna-se acelerada para preparar-nos para a ação.

Como funciona o mecanismo de fuga ou luta?

Quando morremos de medo e entramos no mecanismo de fuga ou luta, o nosso corpo aciona uma espécie de alarme que faz com que o sangue corra da nossa pele para os nossos músculos e a temperatura do nosso corpo automaticamente aumente, o que faz com que começamos a suar. (6) As nossas glândulas sudoríficas começam a trabalhar para manter a nossa temperatura equilibrada, para que não soframos um acidente vascular cerebral.

Já o coração, quando recebe um aumento de adrenalina, começa a bater mais forte e aciona o mecanismo de fuga ou luta. Quando isto acontece, dificilmente o coração conseguirá relaxar ou manter o ritmo necessário para trabalhar normalmente. Uma das reações no coração é chamada vibração ventricular, que faz com que as câmaras inferiores do coração (ventrículos) tremam, o que previne que o sangue seja bombeado para o coração, o que pode gerar uma parada cardiorespiratória. Entretanto, fique calmo, esta reação não acontece numa pessoa saudável.

Afinal, é possível morrer de medo?

Para saber se uma pessoa pode literalmente “morrer de medo”, conversamos com o Dr Daniel Atkinson, que comenta:

“Em teoria, uma pessoa não pode morrer de medo, mas se tiver um problema cardíaco, como aterosclerose, isto pode ser acionado pelo volume de stresse que o corpo experiencia quando entra no mecanismo de fuga ou luta e, neste caso, corre sim o risco de morrer. Entretanto, pessoas que fazem atividades físicas e saudáveis não devem ter medo de morrer de medo. É mais fácil isso acontecer numa situação em que se sente com a vida ameaça do que com qualquer susto durante o Halloween.”

Contudo, em 2008, num caso nos Estados Unidos da América, uma senhora morreu de medo literalmente quando a sua casa foi invadida à noite quando estava na sua cama a dormir. A senhora sofria de aterosclerose (doença coronária). (7, 8)

Portanto, a nossa recomendação é, antes de sair para celebrar o Halloween, talvez seja melhor conferir a saúde do seu coração - apenas por segurança.