Agora que o verão chegou definitivamente a Portugal, é preciso estar atento à exposição imoderada ao sol para o melhor proveito das férias. Neste artigo, o Dr Daniel Atkinson irá discutir os vários estágios das queimaduras solares, quando são prováveis de ocorrer e como garantir a sua proteção.

Exposição
(15 minutos)

“O tempo para que ocorram as queimaduras solares dependerá de vários fatores, como o calor, a hora do dia e o quanto a pele é sensível (ou suscetível aos raios UV)”, explica o Dr. Atkinson.

“Em dias particularmente quentes, pessoas com pele mais clara, ao ficarem expostas ao sol por apenas 15 minutos, podem desenvolver sinais de queimaduras solares. Obviamente, quanto mais ficar exposto, maior a probabilidade de sofrer queimaduras de sol e mais grave será.”

“Geralmente a queimadura não é visível até uma ou duas horas após a exposição. Portanto, é muito fácil, durante o período de exposição, não notar que está a se queimar.”

“A radiação UV, que causa queimaduras solares, tende a atingir o pico entre as 11h e as 15h, é quando o sol está no ponto mais alto do céu. Portanto, para as pessoas suscetíveis à queimaduras solares, esta é o horário em que correm maior risco.”

A queimar
(de 2 horas em diante)


“A exposição aos raios UV causa danos nas células da pele, o que desencadeia uma reação inflamatória no corpo", diz o Dr. Atkinson. “É neste momento que o sistema imunológico percebe algo como uma ameaça, então libera os transmissores químicos para 'nos dizer' que uma parte do corpo está ferida, neste caso a pele. Isto surge na forma de vermelhidão (e posteriormente dor).

“Em casos mais graves e em pessoas particularmente sensíveis à queimaduras solares, a área afetada da pele pode ficar rosa e posteriormente vermelha em uma hora, mas geralmente, levará duas horas ou mais para que os sinais das queimaduras solares apareçam.”

“Alguém com queimaduras solares menores provavelmente ficará vermelho nos próximos dias após a exposição, embora a vermelhidão possa gradualmente desaparecer durante este período. Casos mais graves podem levar mais tempo (várias semanas) para desaparecer completamente.”

Dor
(a partir das 6 horas)


"O próximo estágio é a dor nas áreas afetadas”, Dr. Atkinson explica. “Mais uma vez, quão grave isto é e quanto tempo irá durar dependerá da extensão da queimadura. Na maioria dos casos, as pessoas irão notar mais dor a partir de cerca de seis horas após a exposição.”

“A pele queimada pelo sol também é muito mais sensível ao calor, portanto, se alguém com queimaduras solares voltar ao sol ou tomar um banho morno ou quente, sentirá mais desconforto.”

“As pessoas que estão gravemente queimadas também podem desenvolver borbulhas. Este é um sinal do corpo a tentar se proteger de mais danos e acelerar a cura. As borbulhas funcionam como uma barreira entre os tecidos cicatrizantes e a superfície da pele.

Descamação
(a partir de 2 dias)


Quando a dor diminuir, pode ocorrer descamação, geralmente depois de alguns dias. Isto pode durar até uma semana, porém irá depender de quão ruim é a queimadura ou quão grande é a área coberta. Uma pessoa com queimadura solar leve irá descamar por um ou dois dias, menciona o Dr. Atkinson.

"A descamação é um sinal de que o corpo esta a se desfazer das células danificadas da pele para substituí-las por outras novas e saudáveis".

Prevenção de queimaduras solares

Precisamos de alguma exposição ao sol para manter um suprimento saudável de vitamina D, mas queimar através da exposição prolongada também aumenta o risco de vários categorias de cancro da pele e pode contribuir para o envelhecimento prematuro e condições da pele como a queratose actínica.

Assim, enquanto alguma luz solar é saudável, tomar precauções é absolutamente crucial, como o Dr. Atkinson explica:

  • Certifique-se de aplicar protetor solar nas áreas expostas da pele, idealmente cerca de meia hora antes da exposição, e replique de acordo com as instruções, geralmente a cada duas horas. Muitas pessoas tendem a não colocar protetor solar suficiente. Uma camada muito fina não reduz suficientemente o risco de queimaduras solares. Um adulto deve usar cerca de 35ml por aplicação. FP+15 pode não ser suficiente para pessoas com a pele mais clara. Se é sensível ao sol, é aconselhável usar a proteção solar SP+30. Também deve garantir que o produto que está a usar oferece proteção UVA e UVB.
  • Em dias muito quentes, considere usar roupas leves e soltas com mangas compridas e pernas de calças para que possa cobrir os braços e as pernas, e protegê-los dos raios UV. Um chapéu com aba larga também ajuda a limitar o risco de queimar o pescoço. Usar óculos de sol também pode limitar o risco da pele no seu rosto e ao redor dos olhos ficar queimada.
  • As horas de pico em Portugal para a intensidade UV são entre as 11:30 e as 16:30, pelo que pode ser útil limitar a exposição durante estas horas. Se a sua sombra é menor que a sua altura real, significa que o sol está alto no céu portanto, particularmente forte.
  • Se estiver ao ar livre em condições quentes por longos períodos, procure manter-se na sombra o máximo possível.

Cuidar de queimaduras solares

Se é tarde demais e já sofreu queimaduras solares, o Dr. Atkinson explica que existem medidas que pode tomar para reduzir o desconforto.

  • Aplique um creme hidratante pós-sol ou aloe vera para aliviar a irritação da pele.
  • Tome um banho frio para ajudar a esfriar a pele.
  • Beba muitos líquidos para ajudar o corpo a manter-se fresco e hidratado.
  • Analgésicos de venda livre podem ajudar a aliviar a dor e a sensação de desconforto.

Se tem queimaduras solares particularmente fortes ou não se sente bem, converse com o seu médico. Isto pode acontecer se tiver borbulhas, sentir tontura ou febre, ou se a sua queimadura tiver ocorrido numa grande área de superfície.

*Post Original em inglês.