A asma é uma condição que pode ser controlada com medicamentos e com alterações ao estilo de vida, apesar de ser uma doença crónica. Contudo, se a condição não for controlada eficazmente, pode ter consequências a longo prazo na sua saúde. 

Neste artigo abordamos algumas complicações e efeitos a longo prazo que podem ser causados pela asma e sempre que possível, informação sobre como estes podem ser tratados.

Remodelação das vias aéreas

A remodelação das vias aéreas refere-se a alterações estruturais das vias aéreas e ao aparecimento de tecido cicatricial nos pulmões. Estas alterações adversas podem ocorrer devido a uma estimulação prolongada das células inflamatórias* que podem causar crescimentos anormais. A remodelação das vias aéreas severa pode levar a uma perda permanente de função pulmonar e a tosse crónica. 

Esta condição é rara e tende a apenas ocorrer em asmáticos graves com a condição mal controlada. A administração numa fase inicial* de medicamentos corticosteroides por inalação pode ser usada para ajudar a tratar a condição. Contudo, qualquer remodelação das vias aéreas que já se tenha iniciado, não pode ser revertida apenas com medicamentos, o que significa que os sintomas como a falta de ar podem tornar-se uma recorrência diária.

Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC)

DPOC é o nome dado a várias condições pulmonares incluindo o enfisema, a bronquite e a obstrução crónica das vias aéreas. Pode causar dificuldade em respirar grave, mas não deve ser confundida com a asma que de uma forma geral é uma doença inflamatória pulmonar diferente. Quando o asmático não sofre sintomas, pode ter uma função pulmonar relativamente normal, enquanto as pessoas com DPOC têm a função pulmonar comprometida. 

As pessoas que não conseguem controlar a asma a longo-prazo podem desenvolver DPOC. Os asmáticos que fumam ou que sofrem de infeções pulmonares recorrentes têm um risco significativamente mais elevado de sofrer de DPOC.

Obesidade

Os asmáticos devem ser encorajados a fazer exercício e a manter-se ativos. Isto deve-se aos potenciais benefícios para a saúde que o exercício tem, melhorando a saúde cardiovascular. Para muitos asmáticos, os seus sintomas podem ser bem controlados com medicamentos, permitindo que levem uma vida normal e saudável. 

Se a sua asma impede que faça atividade física ou desporto, deve consultar o seu médico ou especialista de asma. Estes podem alterar o seu plano de ação de asma ou medicamentos, para que possa introduzir uma rotina de exercício físico. 

Ao evitar o exercício regular, os asmáticos podem aumentar o seu risco de desenvolver obesidade, que por si só pode levar a complicações como a diabetes tipo 2, o AVC e a doença cardíaca coronária. Se sofre de asma e não consegue controlar o seu peso, pode consultar o seu médico para aconselhamento.

Problemas psicológicos

Tal como a sua saúde emocional pode ter um efeito nos sintomas da asma, a asma pode também afetar a sua saúde mental. Viver com doenças crónicas pode causar stress, ansiedade e até depressão. Existe o potencial da sua asma e saúde mental poderem ser reativas uma à outra, criando-se um ciclo vicioso. 

De acordo com o Departamento da Saúde do Reino Unido, os problemas de saúde mental são mais comuns em asmáticos do que em pessoas que não têm esta condição.

De forma a tentar evitar as complicações de saúde acima mencionadas, deve tentar manter a sua asma controlada o melhor possível. Isto significa que deve tomar medicamentos de prescrição tal como indicado pelo seu médico, incluir exercício regular na sua rotina, seguir uma dieta equilibrada e um plano de asma.

Página revista em:  23/11/2017