O choque anafilático é uma resposta alérgica extrema que pode colocar em risco a vida.

Se sofrer um choque anafilático é necessária ajuda médica urgente.

A resposta anafilática ocorre quando o sistema imunitário do corpo reage de forma exagerada à presença de um alérgeno.

A reação ocorre entre o alérgeno e os anticorpos do corpo conhecidos como imunoglobulinas, em particular do tipo E (IgE). Esta leva à libertação de químicos no corpo que incluem a histamina, levando ao inchaço dos vasos sanguíneos pelo corpo.

Quais são os sintomas do choque anafilático?

Pode sofrer de um ou mais dos seguintes sintomas quando sofre uma reação anafilática:

  • Pulso acelerado ou fraco
  • Erupções cutâneas
  • Náuseas ou vómitos
  • Inchaço dos olhos, lábios, mãos e pés
  • Sensação de tontura
  • Dificuldades em respirar devido a inchaço na boca ou nas vias aéreas

Diagnóstico

Não existe nenhum teste específico disponível para confirmar se tem risco ou não de desenvolver um choque anafilático. Esta condição é rara, mas pode acontecer a qualquer pessoa e em qualquer fase da vida.

Existem certos fatores de risco que podem significar uma maior probabilidade de sofrer um choque anafilático. Estes incluem:

  • Historial de reação anafilática. Se teve uma reação grave no passado, então existe o risco de sofrer de uma nova reação novamente.
  • Pessoas com alergias ou asma.
  • Pessoas com historial familiar de choque anafilático.

No caso de ter maior suscetibilidade, o seu médico poderá recomendar alguns testes para determinar quais os fatores que desencadeiam a sua alergia.

Os resultados dos testes não poderão dar uma indicação da gravidade da sua reação ou a probabilidade de sofrer um choque anafilático, contudo, podem ajudar a tomar uma decisão informada sobre aquilo que come e o que faz.

  • Testes à pele. É testada a presença de vários alérgenos em pequenas quantidades na pele, para ver como esta reage. Os alérgenos farão com que a pele fique vermelha e com comichão.
  • Análises ao sangue. As análises ao sangue servem para determinar a reação a vários alérgenos.
  • Diário alimentar. Neste diário pode anotar todos os alimentos que come de forma a perceber se existe uma relação entre estes e a reação alérgica.
  • Outras condições. O seu médico ou alergologista terá de despistar se a sua condição se relaciona com outras condições pré-existentes. Condições que incluem sintomas semelhantes incluem ataques de pânico, problemas do sistema imunitário, problemas de coração ou de pulmões e convulsões.

Fatores que desencadeiam um choque anafilático

O choque anafilático pode ser desencadeado por vários fatores. Os mais comuns incluem:

  • Em especial frutos secos, marisco, leite e ovos.
  • Picadas de insetos ou mosquitos. Como vespas, abelhas, zangões e formigas.
  • Látex. Um material comum no fabrico de preservativos.
  • Agentes de contraste. Usados intravenosamente nalguns diagnósticos por raio x.
  • Aspirina, ibuprofeno e antibióticos.

Diferenças entre o choque anafilático e uma reação alérgica

Quando alguém que sofre de uma alergia entra em contacto com um dos seus alérgenos, o corpo responde como se estivesse a ser atacado e liberta químicos na área específica.

Por exemplo, as pessoas que sofrem de rinite alérgica podem sofrer de comichão nos olhos ou espirros assim que as partículas de pólen entram no corpo pelos olhos ou nariz.

Contudo, no caso de um choque anafilático, um químico reativo conhecido como histamina é libertado na corrente sanguínea. Esta causa uma reação mais extensa no corpo, frequentemente notada pelo inchaço de partes do corpo, erupções cutâneas e problemas respiratórios.

O choque anafilático é quase imediato, mas pode também ocorrer pouco tempo após a exposição ao alérgeno.

Como prevenir o choque anafilático

Viver com uma alergia grave pode ser imprevisível, uma vez que não pode garantir que irá conseguir evitar todos os fatores responsáveis.

Contudo, deve fazer todos os possíveis para tentar limitar o contacto com os fatores responsáveis.

  1. Conheça os fatores responsáveis. É necessário saber quais os fatores responsáveis pela sua reação, de forma a planear como estes podem ser evitados da melhor forma possível. O seu médico poderá indicar a melhor forma de o fazer.
  2. Avise outras pessoas. Assim que souber qual o alérgeno responsável pelas reações, deve informar as pessoas que lhe são próximas, para que possam ajudar a evitá-lo. Algumas pessoas optam por usar uma pulseira ou um colar com detalhes sobre as suas alergias.
  3. Tome medidas. Deve ter sempre cuidado no que diz respeito aos fatores responsáveis. Se é alérgico a vespas e abelhas, previna-se quando está no meio exterior durante o clima quente. Poderá ter de adaptar seu vestuário para que as cores que usar não sejam demasiado brilhantes e não deixem demasiada pele exposta. As pessoas com alergias alimentares devem ler os rótulos cuidadosamente e avisar quando comem fora ou encomendam comida.

Como tratar uma reação anafilática

A maioria das reações anafiláticas pode ser tratada com sucesso. O “Resuscitation Council” no Reino Unido afirma que menos de 1% dos casos resulta em fatalidade.

Se sofrer um choque anafilático, pode esperar o tratamento com os seguintes:

  • Adrenalina (também chamada epinefrina) é muito importante no tratamento da condição. Pode ser administrada imediatamente quando são observados os sintomas de choque anafilático. A dose standard é geralmente administrada por injeção intramuscular, com um dispositivo chamado Epipen.
  • Oxigénio. O corpo pode ter falta de oxigénio enquanto as vias aéreas estão contraídas. Por este motivo, uma concentração elevada de oxigénio administrada diretamente nas vias aéreas pode ajudar a aliviar os sintomas.
  • Medicamentos intravenosos. Após o tratamento com adrenalina inicial, poderão ser-lhe administrados anti-histamínicos ou corticoides por via intravenosa. Estes dois tipos de medicamentos podem ajudar na dilatação dos vasos sanguíneos e na constrição das vias aéreas, para além de reduzirem a duração da reação ou o risco de uma reação secundária que se possa seguir*.
Página revista em:  26/04/2018